Mil assinaturas pedem liberdade de escritor

Mais de mil pessoas assinaram um manifesto de solidariedade com o escritor Ali Abdullah, preso há mais de dois meses por ter lido um comunicado em nome dos Irmãos Muçulmanos durante um debate sobre as reformas no país. Abdullah, que é esquerdista e não pertence aos Irmãos Muçulmanos (clandestinos), foi o primeiro a ser detido em maio. Depois dele, foram presos os outros oito membros do "Fórum Atassi" de discussão, o último que funcionava no país após o fechamento de outros similares. Os oito companheiros de Abdullah foram libertados depois de uma semana, mas ele foi apresentado ao Tribunal de Segurança do Estado. O ativista pró-direitos humanos Anwar al Bunni disse à EFE que os signatários do manifesto pela libertação de Abdullah são não só sírios, mas também árabes e estrangeiros. Entre eles está o porta-voz dos Irmãos Muçulmanos, Sadr Aldeen Al Bayanuni. O "Fórum Atassi" funcionou nos últimos anos como um fórum aberto de discussão no qual se debatia a forma de ampliar a participação política na Síria, mas no sábado a polícia impediu os presentes de realizar sua reunião sem dar maiores explicações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.