Reuters/Arquivo
Reuters/Arquivo

Mick Jagger promoverá Grã-Bretanha em Davos, ao lado de premiê

Stone vai promover a Grã-Bretanha durante a reunião dos mais ricos e poderosos do mundo

REUTERS

24 de janeiro de 2012 | 12h38

De uma condenação envolvendo drogas em 1967 ao título de Cavaleiro concedido pela rainha Elizabeth, a transformação de Mick Jagger de rebelde do rock'n'roll a queridinho do establishment britânico é bem documentada.

Mesmo assim, poucos fãs dos Rolling Stones poderiam imaginar que um dia veriam o vocalista do grupo aparecendo ao lado de um primeiro-ministro do Partido Conservador - um reduto de tradicionalistas que ficariam escandalizados com o jovem Jagger.

Sir Mick, como ele é conhecido desde que foi condecorado, deve aparecer em um evento organizado pelo primeiro-ministro David Cameron para promover a Grã-Bretanha durante a reunião das pessoas mais ricas e poderosas do mundo em Davos, nesta semana.

O porta-voz do primeiro-ministro confirmou nesta terça-feira que Jagger participaria do evento, mas não quis dar detalhes sobre qual seria o papel exato do cantor.

O tabloide popular The Sun, o primeiro a divulgar a participação de Jagger, sugeriu uma lista de canções para um suposto dueto. Ela inclui Downing Street fighting man e You can't always get what you want (em uma coalizão)", referindo-se à aliança difícil dos conservadores com os liberal-democratas.

O evento em Davos é um golpe publicitário para Cameron e deve frustrar o ex-primeiro-ministro Tony Blair, que sempre foi fã de Jagger. Blair, que toca guitarra, sonhava em ser uma estrela do rock antes de partir para a política.

Em um jantar nos anos 1990, ele disse a Jagger: "Só quero dizer o quanto você sempre significou para mim".

Foi Blair quem recomendou o cantor para a condecoração de cavaleiro.

Já Cameron e seus colegas conservadores não são conhecidos por nenhuma associação com estrelas do rock.

(Reportagem de Estelle Shirbon)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.