Michelle, vítima de maldição

Bee Movie: a História de uma Abelha

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 03h00

15H40 NA GLOBO

(Bee Movie). EUA, 2007. Direção de Steve Hickner e Simon J. Smith.

Abelha macho torna-se amigo de humana com quem tenta manter a produçãqo de mel como uma atividade artesanal. Justamente a parte que trata dessa relação é a menos divertida. O melhor é a descrição da vida na colmeia pelos olhos de um recém-formado. No original, o protagonista fala com a voz de Jerry Seinfeld, que agrega ao personagem algo que construiu com seu homônimo em Seinfeld, considerada (por TV Guide) a melhor série de TV de todos os tempos. Reprise, colorido, 90 min.

Mil Anos de Orações

22 H NA CULTURA

(A Thousand Years of Good Prayers). EUA, 2007. Direção de Wayne Wang, com Feihong Yu, Henry O, Vida

Ghahremani.

O horário da Mostra reprisa, e agora dublado, o longa sobre chinês idoso que vai visitar a filha recem-divorciada nos EUA. Seus princípios éticos e a formação no comunismo chocam-se com o consumismo da sociedade norte-americana e o que lhe parece o desregramento familiar que levou às dissolução do casamento da filha. O diretor sino-americano Wang pode não ter feito um grande filme, mas não falta ao programa boa dose de observação humana e social. Reprise, colorido, 83 min.

Os Doces Bárbaros

22H30 NA TV BRASIL

Brasil, 1978. Direção de Jom Tob Azulay, com Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethânia, Caetano Veloso.

No dia em que estreia Tropicália, de Marcelo Machado, a TV Brasil reprisa o documentário sobre a célebre turnê que o quarteto de artistas baianos realizou em 1976, e que culminou com a prisão de Gilberto Gil em Florianópolis, por porte de maconha. Os dois filmes estão linkados, são bons - Os Doces Bárbaros é sempre citado como um dos melhores, senão o melhor documentário sobre MPB - e a versão que a TV mostra hoje é a integral. Na época, o filme foi mutilado pela censura do regime militar. Reprise, colorido, 104 min.

Vencendo na Marra

22H45 NO SBT

(Turn It Up). EUA, 2000. Direção de Robert Adetuyi, com Pras, Ja Rule, Jason Statham, Vondie Curtis Hall.

Artista talentoso tenta se desligar do universo do crime, mas seu empresário o pressiona a deixar as coisas como estão. Boas intenções, música massificada, nada que mereça atenção especial. Reprise, colorido, 100 min.

No Amor e na Guerra

23 H NA REDE BRASIL

(In Love and War). EUA, 1996. Direção de Richard Attenborough, com Sandra Bullock, Chris O'Donnell, Mackenzie Astin, Emilio Bonucci.

Chris O'Donnell foi massacrado pela crítica por seu papel como o jovem Ernest Hemingway, que se envolve com enfermeira mais velha durante a 1ª Grande Guerra. A história real inspirou o escritor a produzir um de seus clássicos - Adeus às Armas. Mas, tratado no estilo hagiográfico

do ator e diretor Attenborough, de Gandhi, vira um novelão que parece mais arrastado do que suas menos de duas horas. O'Donnell até que não é ruim.

O problema é a falta de química

na dupla com Sandra Bullock. Reprise, colorido, 113 min.

Sempre Fiel

0 H NA CULTURA

(Semper Fi). EUA, 2011. Direção de Rachel Libert e Tony Hardmon.

Sargento aposentado, que dedicou a vida à Marinha, desestrutura-se com a morte da filha, vítima de um tipo raro de leucemia. Ao tentar descobrir como isso - a doença - ocorre, ele descobre que a força acobertou um acidente de contaminação pela água que produziu muitos mortos. E o seu mundo rui. O personagem é real e o documentário é forte. Reprise, colorido, 75 min.

Tatuado

0H30 NA TV BRASIL

(Tatuado). Argentina, 2005. Direção

de Eduardo Raspo, com Nahuel Perez Biscayart, Luis Ziembrowski, Jimena Anganuzzi, Antonio Ugo.

A emissora anuncia de novo o longa argentino que programou há dias, sobre garoto que busca descobrir o paradeiro da mãe. Ela abandonou a família quando ele tinha 2 anos e a única pista é a tatuagem que ela fez em seu braço, quando ainda era bebê. Colorido, 85 min.

Zombie - A Volta dos Mortos- Vivos

2 H NA REDE BRASIL

(Zombie). Itália, 1979. Direção de Lucio Fulci, com Tisa Farrow, Ian Mcculloch.

Os filmes de Lucio Fulci eram espancados pelos críticos há 30/40 anos. Hoje, seus mortos-vivos ocupam um capítulo importante do cinema fantástico europeu e há críticos que o têm na conta de gênio. A trama comporta certo erotismo, ou pelo menos muita safadeza, quando os mortos atacam turistas num hotel nos trópicos. Reprise, colorido, 100 min.

TV Paga

O Feitiço de Áquila

22 H NO TELECINE CULT

(Ladyhawke). EUA, 1985. Direção de Richard Donner, com Matthew Broderick, Rutger Hauer, Michelle Pfeiffer, Leo McKern, John Wood.

Fantasia medieval sobre garoto que ajuda casal a desfazer maldição. De dia, ela é pássaro; de noite, ele é lobo. Grande diversão, apesar dos excessos da trilha moderninha. A jovem Michelle é um assombro. Reprise, colorido, 124 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.