Meu Pé de Laranja Lima: provável candidato a best-seller

Tudo começou quando a produtora Katia Machado, tocada pela história de Zezé, resolveu adaptar Meu Pé de Laranja Lima. O livro de José Mauro de Vasconcelos vendeu mais de 1 milhão de exemplares no País, foi traduzido para 52 línguas e, na Coreia do Sul, chegou a ganhar uma edição em quadrinhos. De novo no Brasil, originou um filme (em 1970) e três telenovelas. Katia encomendou o roteiro a seu amigo Marcos Bernstein. Ocorreu o que poderia parecer improvável - Bernstein gostou tanto da história e do próprio roteiro (que escreveu com Melanie Dimantas) que só faltou suplicar a Katia que o deixasse dirigir. Ela topou, e fez muito bem. Meu Pé de Laranja Lima, que estreia hoje em mais de cem salas, é um belo filme e um provável candidato a best-seller.

AE, Agência Estado

19 de abril de 2013 | 10h33

É verdade que o livro alcançou esse número extraordinário ao longo de quase meio século, ou seja, atravessando gerações. Mas, se o boca a boca funcionar, Bernstein e Katia podem sonhar com o sucesso. Será merecido. E o importante é que o filme é bom. Bernstein tem currículo. Coescreveu, com João Emanuel Carneiro (autor de Avenida Brasil), o roteiro de Central do Brasil, de Walter Salles. Dirigiu Do Outro Lado da Rua, com Fernanda Montenegro e Raul Cortez. Que ninguém espere dele uma versão derramada da história do menino que foge da miséria de sua pequena vida refugiando-se no mundo da imaginação. Zezé elege a árvore do título como amiga (e confidente). A versão de 1970, de Aurélio Teixeira, carregava nos sentimentos para arrancar lágrimas. Bernstein chega a ser minimalista. Cobrado pelo repórter, diz que nunca viu O Corvo Amarelo, clássico japonês (de Heinesuke Gosho), famoso pelo uso da cor, também sobre a infância carente, do qual seu filme parece herdeiro.

A história é regional e vira universal por sua humanidade. "Meu Pé de Laranja Lima já participou de festivais no exterior e, em toda parte, o público se interessa pelos personagens, se comove com a narrativa", conta Bernstein. "No Festival de Roma, foi escolhido por um júri de jovens como o melhor filme infantojuvenil." E tem mais. "A história de Zezé é um triunfo da imaginação. Para quem vive de contar histórias, como eu, seja como roteirista ou diretor, tem tudo a ver." Era um filme cheio de desafios. Criança, árvore, não falta nem mesmo um trem como personagem decisivo na trama. "O trem, como a própria árvore, é essencial. Como se faz isso? Filmei com o mesmo sentimento com que escrevemos, Melanie e eu. Mas o filme não seria tão bom sem esse elenco maravilhoso." Bernstein conseguiu reunir atores como José de Abreu, Fernanda Viana (do Grupo Galpão), Caco Ciocler. O grande achado foi o garoto João Guilherme Ávila, que faz Zezé.

MEU PÉ DE LARANJA LIMA - Direção: Marcos Bernstein. Gênero: Infantil (Brasil / 2012, 97 min). Classificação: 10 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaMeu Pé de Laranja Lima

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.