Mestre do flamenco, Juan Manuel Cañizares toca em SP

O violão do catalão Juan Manuel Cañizares está presente em mais de 100 discos de gente como Camarón de la Isla, Enrique Morente, Al di Meola, Peter Gabriel, Peter Erskine, John Paul Jones e Michael Brecker. Manteve durante 10 anos uma parceria com seu mestre, Paco de Lucía. Mas, em sua terceira visita ao Brasil, para tocar nesta terça-feira, às 21h30, no HSBC Brasil, Cañizares revela um novo desejo: gravar com o violonista gaúcho Yamandú Costa.

AE, Agência Estado

11 de setembro de 2012 | 10h21

"Além de um músico extraordinário, Yamandú é um grande ser humano, gente finíssima", disse o violonista à reportagem, logo após chegar de um passeio por Ipanema e Copacabana, na quinta-feira. Ele faz o show Cuerdas del Alma, há dois anos correndo o mundo. O conceito de parceria, para Cañizares, é muito particular: não se trata de uma fusão, de um emular o outro, mas de um tipo de integração cultural.

"Honestamente, quando me perguntam se conheço a música brasileira, digo que não. Não vivo nesse entorno, sou da Andaluzia. Estive numa festa para músicos na qual ficamos até as 4 h da manhã escutando choro, samba, bossa. Quando vejo tudo isso, vejo que há uma forma de vida, há uma cultura ali, que a música é a superfície de algo muito profundo que não compreendo porque não vivo nessa cultura", afirma.

O flamenco, para Cañizares (solista no famoso Concierto de Aranjuez com a Royal Philharmonic, regida por Simon Rattle), não admite amadorismo. "Aprendi com Paco de Lucía que a música não é algo que se improvisa, que ela deve respeitar as regras da tradição. Muito cedo me dei conta que ser universal é ser local. É por isso que a música de Villa-Lobos, Tom Jobim, Yamandú tem um alcance tão grande. Porque eles são universais sendo locais", diz.

"Um guitarrista flamenco é a única pessoa que é responsável por três coisas ao mesmo tempo: acompanhar um cantor, acompanhar um bailado e fazer o seu concerto solo. Para isso, tem de saber harmonia, tem de ter o domínio rítmico. Só após isso está completo. Se não sabe fazer uma das três coisas, algo lhe falta, e é inconcebível que toque o flamenco."

O concerto de Juan Cañizares em São Paulo inclui a participação do baixista brasileiro Ney Conceição, além do segundo violão de Juan Carlos Gómes e a dança e o cajón de Angel Muñoz. Tangos, rumba, guajira, balada e sapateado estão no programa, além de uma valsa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

JUAN MANUEL CAÑIZARES

HSBC Brasil (Rua Bragança Paulista, 1.281, Chácara Santo Antônio). Tel. (011) 4003-1212 . Terça, às 21h30. R$ 60/ R$ 300.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaflamenco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.