Mercado externo quer "Terra Nostra 2"

Pela primeira vez, uma demanda externa pode influenciar no que será produzido no Brasil. A frase é de Carlos Alberto Simonetti, diretor da Divisão de Vendas Internacionais da Globo, a respeito da cobrança do mercado estrangeiro para a produção da segunda fase de Terra Nostra. Canais da Itália, Espanha, Portugal e de outros países da América Latina, que exibem ou já exibiram a trama de Benedito Ruy Barbosa, estão pressionando a emissora pela continuação da saga de Matteo e Giuliana."Temos várias propostas de co-produção e de pré-compra para esta segunda fase. Nossa função é apenas identificar as oportunidades. Agora isso deverá passar pela Central Globo de Produção, para avaliação", diz Simonetti.Caso não esteja entre as prioridades da casa a continuação da trama para o Brasil, o projeto pode ir parar na área de produções internacionais. Seria então realizado só para o exterior, como está sendo feito com a versão hispânica de Vale Tudo. "As centrais de produção é que vão avaliar qual projeto é viável."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.