Menos raça e mais humor em campo

No 15º Rockgol, campeonato de futebol da MTV, trio de comentaristas faz graça com os cantores do torneio

JOÃO FERNANDO, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2013 | 02h10

A quantidade de latinhas de cerveja, energético e de cigarros presentes na área do vestiário denunciam que não se trata de um torneio com atletas profissionais. Com alguns pernas de pau e outros que até são bons de bola acontece, o 15.º Rockgol, campeonato de futebol de bandas e cantores da MTV, que estreia na terça, às 21h15, e será exibido também às quintas.

Este ano, Cidade Negra e Fresno se enfrentam na primeira partida da competição, que tem ainda grupos como CPM22, NXZero, ForFun e Skank, campeão da última edição, em 2011, quando os jogos foram gravados no Rio. Desta vez, os artistas correram no gramado do campo do Parque da Aclimação, no mês passado.

Badauí, do CPM22, estava confiante de sua performance por treinar semanalmente. "Desde criança eu jogo. Mas, se for para comparar com quem joga bola de verdade, é todo mundo perna de pau aqui", diverte-se. Já Lucas, vocalista da banda Fresno, se fez de humilde. "Estamos fortes este ano, mas não sou o melhor futebolista do mundo", confessa o cantor, que se espanta com a reação de parte dos competidores. "Os que se levam a sério brigam mesmo."

Na cabine de transmissão, o narrador Daniel Furlan e os comentaristas Paulinho Serra e Juliano Enrico estão mais preocupados em fazer graça com os jogadores. "A gente fica aqui bebendo cerveja no ar-condicionado e eles ficam correndo, suando", debocha Furlan ao falar com o Estado. "Essa cabine é melhor do que muita boate de São Paulo", completa Paulinho. Enrico entrega que não é muito fã do esporte. "Aprecio mais polo aquático e frescobol."

O trio de humoristas garante não ter se preparado muito para a função. "Não memorizamos (os nomes). A gente inventa, vê a escalação antes do jogo. Eu anoto como 'gordo', 'careca', cabelo estranho'", explica Furlan. "Com o tempo, a gente vai conhecendo", defende Paulinho, dizendo que o descompromisso é proposital. "Como o futebol não é profissional, cabe aos narradores, que também não são profissionais, ver como os espectadores narrariam." "Você pode gritar palavrão, ofender gratuitamente os jogadores e a torcida", brinca Furlan.

Mais antigo na emissora entre os três, Paulinho jura que não tenta ser mais camarada ao comentar lances dos músicos que conhece. "Sou amigo deles. Eles me fornecem algo que não trouxe." "Alegria?", pergunta Furlan. "Isso", rebate.

Entre as partidas, a dupla Deco e Lucas comanda o Show do Intervalo, em que ambos fazem provas, como chamar alguém para defender um gol vestindo uma camisa de força e andar de moto em volta das bolas usadas em campo. "É para humanizar o futebol", conta Deco.

A equipe do MTV Sem Vergonha, atração sobre sexo comandada por Didi Effe e Titi Müller ganhou o reforço da VJ Pathy Dejesus para ir aos vestiários. "Não dei muita sorte, pois os caras já estavam vestidos", diz a novata. "Soube que o pessoal do ConeCrew e Fresno se fotografaram nus", revela Titi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.