Meninos do "South Park" vão ao Afeganistão

O desenho animado South Park desta segunda-feira (Multishow, às 23 horas) promete dar o que falar. Neste episódio, os quatro meninos politicamente incorretos vão parar no Afeganistão e terminam presos pelo próprio Osama Bin Laden. Como seria de se esperar, ele é ridicularizado sem dó. Tudo começa quando o quarteto entra em uma campanha para enviar um dólar a uma criança afegã. Como retribuição, quatro meninos de lá mandam um bode de presente para eles.Eles não têm o que fazer com o animal e resolvem mandá-lo de volta, colocando-o em um avião militar que ruma para o Afeganistão. Acidentalmente, ficam presos e, ao desembarcar, terminam capturados por seguidores do terrorista, que detestam os americanos. O episódio é um show de humor negro. Os meninos afegãos convivem normalmente com bombardeios. Compram ingresso para o cinema e, na hora de entrar, uma bomba cai no prédio. Passeiam pela cidade e as bombas destroem os lugares que eles querem visitar. Quando tentam jogar basquete, uma bomba cai na cesta e a destrói antes que a bola caia. Com raiva, queimam a bandeira americana. Mas o show começa para valer quando Bin Laden entra em cena. Os autores da série mostram o inimigo número um dos Estados Unidos como um louco vaidoso, que anda como um pingüim e só pensa em gravar vídeos com suas declarações para as emissoras de tevê. Nem os americanos escapam da crítica. A paranóia dos ataques de 11 de setembro é um prato cheio para a dupla Trey Parker e Matt Stone, criadores, diretores e produtores da série. A mãe dos meninos é mostrada como uma viciada nas notícias, e fica grudada 24 horas diante da tevê, acompanhando o noticiário da guerra. Quase todos os americanos, e boa parte do mundo, fizeram o mesmo nos dias que se seguiram à catástrofe.A sátira à paranóia prossegue, implacável. Para andar pelas ruas, todos têm de usar máscaras contra o antraz. Ao entrar no ônibus escolar, as mochilas e lancheiras das crianças são revistadas e a tesourinha escolar de Cartman é apreendida, pois pode ser usada para seqüestrar o ônibus. Detalhes à parte, o desenho é imperdível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.