"Menino Maluquinho" faz festa na Bienal

Um personagem de livro infantil criado há 20 anos - O Menino Maluquinho atinge a marca de 2 milhões de exemplares vendidos no Brasil. O recorde será comemorado na Bienal que começa na quinta-feira, no estande da editora Melhoramentos, que edita o livro. O cartunista Ziraldo Alves Pinto criou no lápis, em 1981, um menino que, em vez de chapéu, usa uma panela cabeça - símbolo de suas traquinagens. Mais que isso. "Tinha o olho maior que a barriga. Tinha fogo no rabo. Tinha vento nos pés. Umas pernas enormes. Era um menino impossível. Era um menino feliz".As histórias do Menino Maluquinho foram publicadas em todos os países da América Latina e também em Portugal e na Espanha. Mas também saiu das páginas e ganhou o cinema, teatro, televisão, CD-ROM, músicas, histórias em quadrinhos, livro de mágicas, livro de receitas infantis, manual de sobrevivência, uma cantata e uma ópera (ainda inédita), ambas do maestro Ernani Aguiar, além de um mini-parque temático em Brasília.Para comemorar o sucesso, a editora Melhoramentos coloca nas livrarias uma edição de dez mil exemplares em capa dura, em que o menino Maluquinho aparece vestido de fraque e gravata borboleta, pronto para a festa. A comemoração será feita na 10.ª Bienal Internacional do Livro, que acontece de 17 a 27 de maio, no Riocentro, no Rio de Janeiro. O visual do personagem inspira a decoração do estande e os uniformes das recepcionistas. Lá, será leiloado um exemplar especial, exatamente o de numero 2 milhões, pelo site LoKau.com. O dinheiro vai para a APAE de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.