Menina carente vence concurso no Japão

Thaís Regina da Silva, de 9 anos, é uma menina de talento e de sorte. Seu auto-retrato, pintado na Casa do Zezinho (cooperativa educacional e assistencial sem fins lucrativos) para a exposição O Resgate do Retrato, que ocorreu em outubro, na estação de metrô Vila Madalena, foi um dos 20 vencedores da medalha de ouro do 8.º Concurso Anual Mundial de Pintura Infantil, do Japão.No ano passado, Marina Suhara, da Associação Cultural dos Departamentos de Senhoras Cooperativistas, foi visitar a mostra no metrô e selecionou algumas pinturas para concorreram ao prêmio. Mais de 32 mil desenhos do mundo inteiro participaram do concurso, dos quais 20 receberam medalha de ouro, 40 de prata 60 de bronze e 80 menções honrosas, como o de Yonara Rodrigues, também da Casa do Zezinho.Orgulhosa, Anésia Regina Francisco, mãe de Thaís, conta que ficou muito emocionada durante a cerimônia de entrega do prêmio, no dia 4, na Casa de Cultura Japonesa, onde esteve acompanhada do marido e do filho Eduardo. "Meus filhos sempre gostaram de desenhar. Mas agora Thaís está sonhando alto e isso me preocupa. Gostaria muito que ela conseguisse uma bolsa de estudos num curso de desenho."Para Thaís, a premiação representa um estímulo. "Foi a primeira oportunidade que tive de falar ao microfone", conta. Em seu agradecimento, ela disse que a Casa do Zezinho é uma esperança. É lá, no "Sol do Parque Santo Antônio", como a comunidade carinhosamente chama a Casa do Zezinho, que Thaís passa as tardes com outras crianças carentes da região. De manhã ela cursa a 3.ª série do ensino fundamental.Fundada há sete anos, por Dagmar Garroux, a Casa do Zezinho é uma entidade que hoje atende 520 crianças e adolescentes, de 6 a 18 anos, de baixa renda e matriculados na rede pública de ensino. "Não queremos substituir a escola. Mas contribuir para a formação pessoal, social e profissional de cada cidadão", explica Gilson Martins, gerente de eventos e professor de clown da Casa.É por meio de oficinas culturais, computação, esportes e um núcleo de capacitação profissional (padaria, cabeleireiro, corte e costura, silk-screen, mosaico, modelagem e estúdio de som, por exemplo), alimentação diária, material escolar, serviço odontológico e muito carinho, que a Casa do Zezinho ajuda as crianças e as tira das ruas. Tudo isso graças ao esforço de voluntários, cooperativados e empresas que patrocinam algumas atividades, como a Xerox e a Promon. Quem quiser contribuir com deve ligar para a Casa do Zezinho, no telefone (0--11) 5512-0878.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.