Memórias que sobraram de uma história cada vez mais distante

"Ninguém assiste a filme brasileiro, não, os estrangeiros são muito melhores", disse Gabriel Silva, 14 anos, quando questionado pelo Estado sobre a presença do cineasta baiano Glauber Rocha em sua cidade, Monte Santo (BA), meio século atrás. O adolescente, que estava na praça no centro da cidade, nunca ouvira a história na escola ou em casa.

O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2013 | 02h08

Ao seu lado, Elizabeth, que optou por não revelar o sobrenome, concordou com a avaliação do jovem. "A turma só compra DVD de filme americano, que é melhor, e todo mundo conhece os atores", disse ela, que trabalha na maior farmácia do município.

Uma das poucas lembranças da presença de Glauber Rocha e sua equipe em Monte Santo surge quando o Estado visita a escadaria de pedra que leva à capela no alto da serra de Santa Cruz. Os degraus serviram de cenário central em Deus e o Diabo na Terra do Sol.

Um idoso se aproximou do repórter e do fotógrafo Ed Ferreira para questionar o que faziam ali. Ao ser avisado da ocasião dos 50 anos das filmagens do marco fundador do Cinema Novo brasileiro, ele - que pediu para não ser identificado - lembrou que a grande diversão dele e dos colegas, que participaram como figurantes no longa metragem, era notar que o responsável por dirigir o jipe que carregava a equipe e as máquinas de filmagem em Monte Santo interpretava um cego no filme.

O idoso de Monte Santo fazia referência ao motorista Marrom, que representa no filme a personagem Cego Júlio. Foi Marrom quem avisou Glauber que no município vizinho de Milagres (BA) o cineasta Ruy Guerra filmava Os Fuzis. Glauber ficou furioso ao saber que sua ideia de retratar o sertão brasileiro nos cinemas tinha sido copiada. Sua reação foi simples: escreveu artigos para os jornais baianos criticando a invasão estrangeira do sertão. Em tempo: Ruy Guerra nascera em Moçambique. / J .V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.