Memórias da droga

Dois escritores, o americano Bill Clegg e o francês Sacha Sperling, narram o inferno da dependência

Antonio Gonçalves Filho - O Estado de S.Paulo,

03 de maio de 2011 | 06h00

A literatura confessional dedicada a relatos de dependentes de drogas é normalmente enfadonha, mas há exemplos que provam o contrário, do inglês Thomas de Quincey (1785-1859), autor de Confissões de Um Comedor de Ópio, aos americanos William Burroughs (1914-1997) e Hunter S. Thompson (1937-2005), passando pelo poeta e cineasta francês Jean Cocteau (1889-1963).

Quando se julgava o gênero esgotado, eis que são lançados simultaneamente dois livros que tratam do tema e causaram certo barulho na mídia. Discutiu-se, no entanto, mais os autores que o resultado literário de suas confissões. Afinal, são jovens de talento, bonitos, de classe média e caucasianos: o americano Bill Clegg, 36 anos, agente literário de sucesso que afundou no crack e conseguiu se livrar da droga, e o francês Sacha Sperling, 21 anos, filho dos cineastas Diane Kurys e Alexandre Arcady. Clegg é o autor de Retrato de Um Viciado Quando Jovem. Sperling escreveu Ilusões Pesadas, ambos lançados pela Companhia das Letras.

 

Veja também:

link A dor de um literato que caiu no abismo

link Sacha, que não quer ser Rimbaud

Os dois conversaram com o Estado por telefone. Clegg confirma que tudo o que está em seu livro é rigorosamente verdadeiro. Já Sperling evita dizer que se trata de um relato autobiográfico, mantendo conveniente distância do personagem que criou. Apesar disso, ele leva seu nome. Sacha frequenta os mesmos lugares badalados de Paris, tem pais com perfis semelhantes aos seus, vai para a cama com garotas e rapazes e consome altas doses de drogas disponíveis nas casas de amigos - e na sua, claro.

Em comum, tanto Clegg como Sperling são hipersexuados e solitários. A droga sempre aparece associada à carência. Clegg jura que isso também mudou em sua vida depois que passou por um tratamento de desintoxicação, escreveu suas confissões e descobriu a existência dos outros. Tanto que o livro vem com uma solidária dedicatória: "Para quem ainda estiver lá fora".

Ele já esteve lá e sabe como é a rotina de um viciado em crack, correndo atrás de qualquer pedrinha para fumar como um rato no esgoto à procura de restos de comida. De agente literário disputado passou à condição de marginal monitorado pela polícia.

Há seis anos ele se escondia em hotéis baratos para consumir a droga, corria atrás de traficantes, bebia mais vodca do que seu corpo podia suportar e acordava ao lado de estranhos, convocados para sexo casual. Torrou todas as economias, dispensou sua sócia Sarah Burnes por e-mail, foi abandonado pelo namorado cineasta e, não sabe como, foi resgatado dos becos sujos do crime e da droga pelas mesmas pessoas que ignorou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.