Memorial revê o mito e as idéias de Che Guevara

Quais seriam as idéias de Ernesto Guevara de la Serna, o Che, sobre o mundo atual? Personagem simbólico do século 20, Che auto-intitulava-se cidadão da América Latina e, ironicamente ou não, suas palavras, discursos e pensamentos permanecem atuais. Prova disso são suas imagens, que se tornaram produto pop e ilustram paredes e camisetas por todo o mundo. Não por acaso, a foto mais pirateada da história é a célebre imagem de Che de boina, olhar perdido, cabelos compridos, clicada por Alberto Korda.Para explicar melhor quem foi o homem, o mito, a filosofia e a vida de Che, o Memorial da América Latina abre nesta terça-feira a exposição Idéias de um Soldado da América para o Mundo de Hoje, no Pavilhão da Criatividade. A mostra, que traz 50 fotografias de Che, reedita parcialmente a exposição de mesmo tema montada no local há quatro anos. Reforçando as imagens que já contam tanto sobre o mito, estarão trechos de seus discursos, cartas e palavras.Complementando o evento, que faz parte dos eventos do 5.º Mês Internacional da Fotografia, estarão expostas também 33 imagens da Revolução Cubana pertencentes ao Acervo da Oficina de Assuntos Históricos, Conselho de Estado de Cuba (La Habana). Essas imagens, registradas por Mario Diaz, Osvaldo Salas e Alberto Korda, já rodaram o mundo reforçando o mito heróico da Revolução Cubana. Mas, ao mesmo tempo, exibem um Che descontraído, alegre, mais próximo do povo por qual lutava. Importantes também são as legendas explicativas de Pedro Álvarez Tabío, as palavras e discursos gravados de Che, além de músicas compostas em sua homenagem que acompanham as imagens.Somando-se a esses testemunhos da revolução e da vida cubana, será exibida uma mostra de vídeos sobre Che. A programação está dividida em três programas distribuídos em vários dias. O Programa 1 inclui, em espanhol sem legendas, os vídeos Mi Hijo el Che, de Fernando Birri, e Una Foto Recorre el Mundo, de Pedro Chaskel. Com legendas em português, Cuando Pienso en el Che, de Pedro Alvarez Tabio, Che Hoy y Siempre, de Pedro Chaskel; XIX Festival Mundial da Juventude e Quien Es Che Guevara, de Maureen Bisilliat compõem o Programa 2. Maureen, além de diretora do Pavilhão da Criatividade, é a curadora da exposição e mostra em suas produções a figura de Che sob o olhar de seus companheiros. O Programa 3 é composto por Che Comandante Amigo, de Bernabe Hernandez, Hasta la Victoria Siempre, de Santiago Alvarez, El Llamado de la Hora, de Manolo Herrera, e Un Relato sobre el Jefe de la Columna 4, de Sergio Girall, em espanhol sem legendas. As datas de exibição podem ser conferidas no site www.memorial.org.br.Um Soldado da América. De terça a domingo, das 9 às 18 horas. Memorial da América Latina. Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, tel. 3823-4600. Até 17/6. Abertura amanhã (15), às 9 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.