Memorial ganha centro de convenções em São Paulo

O Memorial da América Latina, complexo cultural com nove edifícios na Barra Funda, tem um novo centro de convenções, no prédio onde funcionava a sede do Parlamento Latino-Americano (Parlatino). O edifício circular envidraçado - que era usado apenas duas vezes por ano, nas assembléias da entidade - será utilizado em eventos externos e como local de apoio às atividades da Fundação Memorial.?Será a revitalização de um local que estava sendo subutilizado?, disse o presidente da Fundação Memorial da América Latina, Fernando Leça. A decisão foi tomada anteontem pelo Conselho Curador da entidade, que aprovou o projeto. ?Os primeiros eventos, em caráter experimental, já foram realizados no local, como o seminário 1968: Ecos na América Latina, na semana passada?, disse Leça. As secretarias da Cultura e da Justiça também reservaram o centro de convenções para agosto.O prédio - de 6,7 mil metros quadrados, projetado por Oscar Niemeyer, como todo o complexo do Memorial -, segundo técnicos que elaboraram o projeto, tem estrutura para eventos de grande porte. No andar térreo do edifício circular de vidros negros há um auditório para 546 pessoas e um espaço para pequenas exposições e coquetéis. No segundo e terceiro andares ficam 19 salas, com capacidade de 10 a 160 pessoas. No terceiro andar há um miniauditório, com capacidade para 53 pessoas. O único pavimento que não será utilizado como espaço de convenções é o quarto andar, onde fica a sede da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência.?Embora fosse pouco utilizado, o Parlatino já tinha equipamentos como sistemas de som, de projeção e possibilidade de tradução simultânea.? O único gasto adicional será com manutenção, que será feita por meio de aditivos aos contratos licitados já existentes. A estimativa do Memorial é de que, em seis meses, o Centro de Convenções se torne auto-suficiente - diferentemente do Parlatino, que recebia cerca de R$ 5 milhões anuais do governo do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.