Melhores do teatro infanto-juvenil

Com uma festa caprichada, o PrêmioPanamco no Teatro 2001 elegeu segunda-feira as melhores produçõesinfantil e juvenil em 13 categorias. Apresentada pelo atorEwerton de Castro, a cerimônia de premiação, enxuta, teveagradecimentos breves e durou não mais do que uma hora. As peçasOs Saltimbancos, do diretor Gabriel Vilella, e Suburbia,de Francisco Medeiros, foram os grandes vencedores da noite,conquistando quatro prêmios cada uma. A tragicomédia Suburbia ficou com os troféus demelhor espetáculo jovem, iluminação (Wagner Freire), ator(Luciano Gatti) e produção (Granabe Produções e Núcleo ElenKo daCompanhia Paulista de Teatro). O elenco foi um dos mais animadosda noite. A hoje badalada atriz Bárbara Paz não chegou a tempopara receber os prêmios em companhia do grupo. Eufórico, o ator Luciano Gatti lastimou a ironia de serpremiado justamente com um espetáculo para jovens e Suburbiater sido proibida para menores de 18 anos no Rio, pela juízaLuciana Khair, auxiliar do controverso juiz Siro Darlan. "Nemassistiram à peça; só leram o texto e já afirmaram que alinguagem é chula e o espetáculo, violento", diz. "Na estréia,muitas pessoas não conseguiram entrar porque estavam sem RG." O infantil Os Saltimbancos levou os prêmios demelhor diretor (Gabriel Vilella), cenografia (J.C. Serroni),atriz (Cláudia Valle) e espetáculo infantil. Vestindo um casacocom as cores da bandeira do Brasil, o festejado Gabriel Vilellaagradeceu a Chico Buarque ao receber a troféu de melhordireção. A peça A Mão, do diretor Fernando Anhê, recebeu doisprêmios: melhor música ou trilha sonora (Jamil Maluf e FernandoAnhê) e categoria especial (Fernando Anhê, pela criação dosbonecos e objetos animados da peça). Simoni Boer venceu comomelhor autor pela peça A Ilha de Ouro e Marco Antonio Lima,pelo espetáculo A Arrombada. A Cia. Delas destacou-se naprodução de Quase de Verdade e ficou com a estatueta derevelação do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.