Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Melhor poltrona de cinema de São Paulo

No shopping Pátio Paulista, ao levantar o braço da poltrona, casais podem assistir ao filme agarradinhos

Divirta-se, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2012 | 03h00

Melhor poltrona

Playarte Splendor: 8 pontos

Na maciez do couro do Playarte Splendor você estica as pernas, acomoda a bolsa, namora, curte a sessão, dorme - não necessariamente nessa ordem

Quem frequentava as salas da Playarte localizadas no shopping Pátio Paulista pode até ficar com uma dorzinha na coluna ao saber que a mudança de nome para Splendor não foi apenas uma jogada de marketing da rede: as poltronas mais confortáveis da cidade em nossa avaliação estão no cinema da Bela Vista. Para um novato - após reforma das duas salas, o complexo foi aberto com o novo nome em outubro de 2011 -, é um feito e tanto.

Com 1,28 metro de distância entre a base da poltrona e o encosto da que fica em frente, é possível esticar as pernas à vontade, sem medo de bloquear a movimentação no corredor ou chutar o assento à frente. Como comparação, não chegava a um metro a mesma distância da poltrona vencedora de 2011, do Cinemark localizado no mesmo shopping.

As mulheres não precisam deixar a bolsa no colo ou no chão. Espaçosos, os assentos de 55 cm de largura permitem que o indispensável acessório feminino fique ao lado das pernas. A bandeja móvel acomoda bem pipoca e quitutes comprados na bonbonnière. Ao levantar o braço da poltrona, casais podem assistir ao filme agarradinhos por pura paixão e não por medo de ‘cair’ no vão que costuma ficar entre os assentos. Até os que gostam de tirar uma soneca durante a sessão vão aprovar a textura de couro da poltrona e do braço.

2º lugar - Kinoplex Vila Olímpia: 7 pontos

Lanterninha: Espaço Unibanco Augusta - Largura do assento e braços fixos limitam movimento. Alguns porta-copos estão quebrados 

 

Melhor poltrona de luxo

Cinépolis Iguatemi Alphaville: 9,3 pontos

Avaliado pela primeira vez pelo Divirta-se, o Cinépolis Iguatemi Alphaville surge como um nome forte no segmento premium. Quando abriu seu cinema no Iguatemi Alphaville em 2011, a intenção do grupo mexicano Cinépolis era investir num mercado que já havia nascido em um patamar alto. Era preciso apresentar algo mais impressionante. E a poltrona de suas salas representa bem essa conquista: está um nível acima até de uma que já foi considerada imbatível, a do Cinemark Cidade Jardim. Ao melhorar alguns detalhes aparentemente banais, a poltrona do Alphaville conseguiu evidenciar alguns defeitos que antes não eram tão claros na concorrente.

Um bom exemplo é a mesinha retrátil. Para começar, a de vidro do Cinépolis é mais atraente. E o braço dobra em dois lugares, permitindo que o espectador a tire totalmente da sua frente quando o filme começar, sem atrapalhar a visão. Ao lado dela, uma mesinha com um discreto abajur, para apreciar o cardápio sem forçar a vista.

Um botão comanda a inclinação da poltrona e a abertura do apoio para as pernas. Ninguém que sente nela a primeira vez resiste em ver até onde ela chega: quase 180 graus. Com o cuidado de ajustar o encosto perto do pescoço, para não ficar com a cabeça bamba e sair com torcicolo. Os pés também ficam confortáveis no suporte inferior, como num agradável divã.

O braço da poltrona, almofadado, tem cerca de 11 centímetros. E ele também retrai, formando uma namoradeira sem vão entre os dois assentos, para o casal ficar abraçadinho. Algo que pode melhorar é o porta-copos. O do braço fixo, ok. Mas o da namoradeira deve ser repensado, pois pode provocar um banho nos pombinhos mais desastrados. De couro, a poltrona tem assentos de 55 centímetros de largura, suficientes para assegurar o conforto. E quem precisar de um funcionário pode usar um botão para chamá-lo sem fazer barulho. Mas atenção: durante a sessão não são feitos pedidos.

2º lugar - Cinemark Tamboré e Cidade Jardim: 9 pontos

Mais conteúdo sobre:
cinema Divirta-se

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.