Melancolia eum punhado de fracas canções

Madrid é um disco improvável. Pretensamente sério, é fruto do esforço de Adriano Cintra e Marina Vello, ex-integrantes do Cansei de Ser Sexy e do Bonde do Rolê, respectivamente, bandas nada sisudas. Com um passado mais de brincadeiras bem sucedidas do que de obras propriamente ditas, a dupla faz, em sua estreia, música de cenho franzido, pop de câmara, baladas noturnas, blues à faroeste. Muito piano, muita voz, muita melancolia - e escassa composição. Madrid, por mais que a roupagem queira o contrário, é disco pouco, pois no contexto de um cenário tão prescrito quanto o quarto escuro, esparso, introspectivo e agridoce em que se desenvolve, não faz mais que o feijão com arroz: melodias pouco memoráveis, timbres simples e um ou outro gancho. Daí o problema de a música se esgotar justamente onde deveria começar a se desdobrar. Com uma proposta tão simples, o que seria necessário para que faixas como Sad Song e Poison fossem mais que musiquinhas, diminutas na qualidade e na audácia, seria coragem melódica, uma visão de arranjo menos reducionista e mesmo um conceito de álbum mais robusto. Madrid é menos, só um punhado de fracas canções. / RAFAEL ABREU

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.