Mel Lisboa, de lolita a luluzinha

Mel Lisboa cortou o cabelo, engordou dois quilos e já sumiu da TV há um ano. Mesmo assim, continua sendo Anita. Impossível olhar para ela e não se lembrar da garota misteriosa que bagunçou a vida de José Mayer na minissérie Presença de Anita, de 2001. "Foi muito marcante. As pessoas falam comigo como se a minissérie ainda estivesse no ar. Sempre ouço comentários nas ruas." Pode pedir autógrafo, dar beijinho no rosto e tirar fotos. Só não pergunte para Mel quando ela pretende voltar à TV. "Ai, todo mundo quer saber isso!", desabafa. "Quando o ator não está no ar, a mídia faz muita pressão em cima dele. Ficar um ano longe não é tanto tempo assim."O contrato com a Globo termina só em dezembro, mas Mel avisa: "Não tenho nada programado com a emissora e acho que não vai rolar mais trabalho até o fim do ano. Mas não tenho pressa de voltar: estou adorando poder me dedicar ao teatro." O estereótipo de ninfeta também ficou no passado. Em Luluzinhas, - peça de Emílio Boechat, que estréia quinta-feira, com direção de Cesar Ladeira - Mel interpreta duas personagens bem adultas: uma freira e uma atriz pornô.A paixão pelos palcos surgiu em 2002, depois de uma performance pouco elogiada em Desejos de Mulher, seu segundo trabalho na Globo. Naquele ano, Mel atuou em Confissões de Adolescente e Há Vagas Para Moças de Fino Trato. "É preciso ter muito jogo de cintura para trabalhar em novela. Mas eu não tive. Na minissérie, era como se eu estivesse fazendo um trabalho de cinema: havia tempo e preocupação com detalhes. Na novela, me senti em uma produção industrial, de série."A história da garota que vivia sonhando com as passarelas não convenceu. Gabriela, personagem de Mel em Desejos, recebeu ataques impiedosos da crítica. "Se fosse para fazer o papel hoje, tudo seria bem diferente. Agora me sinto muito mais preparada". Mel anda tão empolgada com o tablado, que resolveu encarar uma jornada dupla. Além de Luluzinhas, participa da temporada de Brutal, peça que está em cartaz no Rio há um mês. "Estou vivendo na ponte aérea", conta. "Não tenho tempo nem para encontrar um namorado!"Apesar da agenda apertada, Mel não sente saudades da vida anônima e universitária que levava antes de ser descoberta por Manoel Carlos. "Quando você se torna uma pessoa pública, tem de aprender a cuidar da própria imagem e a pensar em tudo que fala. Mas eu preservei minha vida de garota comum: vou a boates em São Paulo, a sambas no Rio, ao cinema à tarde e faço ginástica. E ainda vivo rodeada por minhas amigas, que são as mesmas desde que tinha cinco anos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.