Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
AP
AP

Mel Gibson chega a acordo judicial em caso de abuso doméstico

Ator deve admitir implicitamente que agrediu sua ex-namorada para evitar sua prisão

BOB TOURTELLOTTE, REUTERS

09 de março de 2011 | 18h25

O ator Mel Gibson deve admitir implicitamente que agrediu sua ex-namorada, como parte de um acordo judicial que evitará que ele seja preso, disse uma fonte próxima ao caso na quarta-feira, 9, à Reuters.

O site de celebridades TMZ.com informou, citando fontes não identificadas ligadas à promotoria de Los Angeles, que o ator e cineasta comparecerá na sexta-feira, 11, ao tribunal para selar o acordo. Não deve se declarar nem culpado nem inocente, o que na prática significa admitir o crime.

Ele decidiu aceitar o acordo judicial para evitar que uma prolongada batalha judicial afetasse sua família, disseram o TMZ e outros.

Um porta-voz da promotoria se negou a comentar a informação do TMZ, mas o advogado de Gibson, Blair Berk, divulgou nota dizendo que o ator lhe pedira para negociar o acordo.

"Eu sei, por meus quase 20 anos de advocacia criminal, que às vezes a justiça pode vir para um cliente em um preço pessoal alto demais", disse Berk. "Isso é particularmente válido no caso de Mel, cujo direito ao devido processo nesse caso só pode ser exercido levando consigo um enorme circo midiático."

"A prioridade de Mel durante tudo isso tem sido que os interesses da sua filhinha Lucia e do resto de seus filhos sejam colocados em primeiro lugar em todas as decisões", disse Berk. "É só com isso em mente que ele me pediu para procurar o promotor com uma proposta que dê um fim imediato em tudo isto."

Gibson e sua ex-namorada Oksana Grigorieva, que é a mãe de Lucia, estão em atrito há mais de um ano, e romperam seu relacionamento em abril de 2010. Desde então, travam uma dura batalha pela custódia da menina, com várias acusações mútuas.

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEGIBSONACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.