Mehldau, um encontro com a arte rara

Brad Mehldau tinha 5 anos quando Keith Jarrett fez o primeiro recital solo de música improvisada, na Alemanha. Ele não tomou melodias de canções conhecidas como pretexto para os improvisos. Tocou quatro blocos sem título. Trinta e cinco anos depois, Köln Concert é um dos discos mais vendidos da era do CD (algo em torno das 2 milhões de cópias). Foi também o motivo que fez o menino Brad deixar o estudo estrito da música clássica e abraçar o jazz.

, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2010 | 00h00

Na verdade, não foi uma reviravolta, mas apenas a continuidade de um percurso que incorpora a música sem adjetivos. Um universo em que Tom Waits (Martha), Radiohead (Exit Music), Nirvana (Smells Like Teen Spirit), Beatles (Blackbird) têm tanto direito de cidadania quanto Bach, Beethoven, Brahms e os românticos que Mehldau praticou com afinco na meninice.

Agora, aos 38 anos, ele parece estar em novo patamar em sua carreira, tecida com a antológica série de CDs The Art of the Trio. Os temas, colhidos no jazz e no pop, já não têm quase importância em suas criações. Importa mais trabalhar com pequenos fiapos melódicos, rítmicos ou harmônicos desses temas.

Olhos quase sempre fechados, Brad pratica a teatralidade gestual de virtuose clássico. Só se fixa no teclado quando quer acariciar uma sutil dissonância ou brincar com superposições harmônicas. Esta foi a impressão do recital solo de quarta, na Sala São Paulo. Em forma técnica estupenda, tocou temas de músicos populares e eruditos. E sinaliza novos rumos.

Ao que tudo indica, Mehldau fará um recital apenas com improvisos, sem pretextar temas conhecidos, em sua próxima vinda a São Paulo. Sua sólida formação clássica começa a preponderar. Já gravou um CD com canções próprias estilo "lied" com a soprano Renée Fleming (Love Sublime, 2006); e seu mais recente disco é o álbum duplo Love Songs, lançado este mês na Europa pelo selo Naive: no primeiro CD, sete canções aparentadas ao universo schubertiano que compôs sobre versos de Sara Teasdale (1884- 1933); no segundo, um buquê de refinadas canções lentas de Leo Ferré, Michel Legrand, Joni Mitchell e Leonard Bernstein, entre outros. E sua parceira é a maravilhosa meio-soprano sueca Anne Sofie Von Otter.

É preciso ouvir música com humildade quando topamos com o sublime, escreveu ele em recente artigo. É raro, mas palco e plateia irmanaram-se por quase duas horas na sublime humildade diante do mistério da música, graças às artes raras de Mehldau.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.