Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Médico sírio volta como mascate

Eduardo Mossri vai sair de 'Órfãos da Terra' direto para peça no teatro da Biblioteca Mário de Andrade

João Wady Cury, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2019 | 05h00

Os fãs do ator Eduardo Mossri, o médico sírio Faruq, na novela Órfãos da Terra, não vão ter tempo de sentir saudades do moço. A partir da outra semana ele troca o sírio na tevê por um libanês no palco do teatro da Biblioteca Mário de Andrade. A peça chama-se Cartas Libanesas e nasceu no dia em que Mossri encontrou as cartas do avô para sua avó. Entregou a ideia para o dramaturgo José Eduardo Vendramini, que escreveu a peça, cujas apresentações acontecem nas segundas-feiras de outubro, com direção de Marcelo Lazzaratto.


DE HABIB PARA HABIB 

“A ideia original era a de ser um ator mascate, contador de suas histórias”, diz Mossri. “Um ator que pede permissão para abrir seu armarinho de memórias e saudades na frente desse público, brincando com os tempos que vão se fundindo, do mais remoto ao atual, na história desse libanês que chega ao Brasil após a Primeira Guerra Mundial.” O ator está ansioso por voltar à personagem que nasceu em 2015 e acabou levando-o a Órfãos da Terra – e acredita que vai interpretá-la até os 80 anos de idade. “Naturalmente o texto vai alterando com o passar dos anos, do jogo com o público e dos outros trabalhos que estou fazendo”, conta. “Por exemplo, será interessante voltar a fazer esse papel depois de ter dado vida a um refugiado sírio na novela. Inevitavelmente meu olhar muda, o ator muda e mais do que isso, o ser humano que sou muda, e por isso a peça não tem como seguir igual.”  


O CAPETA DESPENCOU 

Não é figura de linguagem, força de expressão. O capeta que despencou é realmente o Capeta, personagem interpretado pelo ator e cantor Zé Ed durante a apresentação da peça Roda Viva na última sexta-feira, 20, no Teatro Oficina. Ao saltar, durante uma cena, de uma escada tipo marinheiro, Zé Ed enroscou o pé na dita cuja e caiu de mau jeito. Resultado: fraturou o pé e deve passar por uma cirurgia. Aguerrido, o pobrezinho, fez o espetáculo até o fim, quando foi ao pronto-socorro. Zé Ed é menos conhecido como ator, mas tem fama como cantor. É o vocalista do bloco Tarado Ni Você, sensação da festa de Momo na cidade, com músicas de Caetano Veloso.


ZICA DO CAPETA  

Este é o segundo artista que incorpora o Capeta. A primeira foi a atriz Joana Medeiros, que estreou com o espetáculo, mas teve de deixá-lo por questões pessoais.


Três perguntas para Claudio Fontana

Ator, seria monge no Tibete

1. Qual é o seu motto?

A Vida É Sonho, título da peça de Calderón de la Barca. Fantasia e realidade se misturam.

2. Com qual personagem você se parece?

Orfeu ao acordar, Apolo ao sonhar, Dionísio ao estrear.

3. Por que teatro?

Teatro transforma as pessoas, estimula a imaginação e a reflexão.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo MossriteatroClaudio Fontana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.