Mark Boster/Efe
Mark Boster/Efe

Médico de Michael Jackson quer usar seringa para provar que é inocente

Defesa de Conrad Murray, julgado pela morte do cantor, diz que astro se matou

Estadão.com.br,

18 de março de 2011 | 13h50

O médico Conrad Murray, acusado de matar Michael Jackson em junho de 2009, quer usar uma seringa encontrada no quarto do cantor para provar sua inocência, diz o tabloide britânico The Sun.

 

Através das impressões digitais encontradas no objeto, os advogados de Murray querem provar que o próprio Michael, e não o médico, injetou a dose letal do anestésico Propofol, causando a morte.

 

O médico conta que deu remédios para dormir a Michael, mas que nunca tocou na seringa encontrada. Ele alega ainda que não estava com o cantor no momento em que faleceu.

 

Testemunhas ouvidas em audiência preliminar em janeiro deste ano acusaram Murray de ocultar evidências e de demorar a prestar socorro ao astro do pop.

 

Em julgamento marcado para maio no Tribunal Superior de Los Angeles, o médico responderá por homicídio culposo, ou seja, sem intenção de matar. Se considerado culpado poderá ser condenado a até quatro anos de prisão.

 

Michael Jackson morreu em 25 de junho de 2009, aos 50 anos, após sofrer uma parada cardiorrespiratória na casa em que morava, em Los Angeles. O músico foi declarado morto em um hospital local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.