Arquivo/AE
Arquivo/AE

Médico de Jackson disse que outros deram propofol ao músico

Cardiologista Conrad Murray afirmou que o rei do pop já havia tomado remédio receitado por médicos alemães

Reuters

21 de novembro de 2009 | 11h04

O médico particular de Michael Jackson disse a investigadores que ele não foi o primeiro médico a fornecer ao astro o poderoso anestésico propofol, que foi uma das drogas a causar sua morte, de acordo com documentos judiciais divulgados na sexta-feira.

Conrad Murray, um dos alvos da investigação sobre a morte de Michael Jackson, disse em um interrogatório feito por um detetive da polícia de Los Angeles, que o cantor lhe teria dito que recebia propofol de dois médicos na Alemanha.

Murray, um cardiologista com consultórios em Houston e Las Vegas, foi contratado para cuidar de Jackson enquanto o cantor se preparava para um série de shows. Jackson morreu em Los Angeles no dia 25 de junho, aos 50 anos, antes do início da turnê.

O juiz investigador do condado de Los Angeles concluiu que a morte foi causada por uma overdose de medicamentos, sendo que o propofol e o sedativo lorazepam teriam sido as principais drogas responsáveis por sua morte.

Os promotores de Los Angeles ainda avaliam se farão uma acusação criminal formal contra algum dos médicos que tratou do cantor de Thriller.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.