Médico condenado por morte de Jackson perde novo recurso

A Suprema Corte da Califórnia rejeitou na quarta-feira o recurso apresentado pelo médico Conrad Murray, condenado pelo homicídio culposo do cantor Michael Jackson.

Reuters

24 de abril de 2014 | 11h18

Murray foi libertado em outubro, após cumprir dois anos de prisão em Los Angeles, e agora deseja limpar seu nome.

Seu advogado havia solicitado à corte que revogasse a condenação de 2011, alegando que a intensa cobertura midiática do caso pode ter influenciado o júri.

Valerie Mass, advogada do cardiologista, disse que ele agora provavelmente recorrerá a um tribunal federal. A Suprema Corte da Califórnia não chegou nem a avaliar o mérito do recurso, rejeitando-o em princípio.

Contratado para acompanhar Michael Jackson numa temporada de ensaios, Murray administrou a dose de analgésicos que acabou por matar o artista, em 2009, aos 50 anos.

(Reportagem de Eric Kelsey)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEJACKSONJULGTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.