Mechas de Ramsés II voltam ao Egito após 31 anos

Mechas do cabelo do faraó Ramsés II, quereinou entre 1279 e 1213 a.C., voltaram ao Egito após permanecerem31 anos na França, onde foram colocados à venda na internet,informou nesta terça, 3, a imprensa egípcia. Após o escândalo causado com a divulgação deste projeto devendapela internet, uma missão de arqueólogos egípcios viajou à França evoltou na segunda-feira ao Cairo com as mechas do cabelo do faraó. As mechas retornaram ao Egito depois que as autoridadesfrancesasas entregaram à Embaixada egípcia na França, após a detenção de umcarteiro de 50 anos, identificado como Jean-Michel Diebolt, quetentou vendê-las pela internet em novembro do ano passado. Diebolt tinha anunciado no site Vivastreet.fr "mechas do cabeloda múmia de Ramsés II" no valor de ? 2 mil (R$ 6 mil) e, para demonstrar suaautenticidade, publicava fotografias e certificados. O carteiro teve acesso ao cabelo de Ramsés II através de seupai,que fez parte do grupo que manipulou a múmia do faraó em 1976,quando foi levada do museu do Cairo à França para que os cientistasestudassem as causas de um estranho mal que a deteriorava. Quando a múmia foi retirada do sarcófago, alguns fragmentos dosudário e mechas do cabelo se desprenderam, sendo recolhidos elevados a vários laboratórios franceses para serem analisados. Alguns foram enviados ao Comissariado da Energia Atômica deGrenoble, onde o pai de Diebolt trabalhava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.