Mecenas salva tela inglesa de R$ 66 mi

Um doador anônimo colocou à disposição do museu Tate, de Londres, 12,5 milhões de libras (cerca de R$ 66,7 milhões) para a compra do quadro Retrato de Omai, do pintor Joshua Reynolds, visando manter a pintura no país.O quadro foi oferecido à Tate em 2001, mas a oferta do museu foi rejeitada na época. A obra foi vendida pouco depois por 10,3 milhões de libras (aproximadamente R$ 54,7 milhões).Retrato de Omai é atualmente o quadro mais caro da Grã-Bretanha. Antes dele, apenas a pintura The Lock, de Constable, foi vendida por uma cifra mais elevada: 10,7 milhões de libras em 1990 (cerca de R$ 56,8 milhões).O governo britânico determinou que Retrato de Omai não poderia deixar o país até dezembro desse ano por causa de de sua importância histórica.A pintura foi exibida pela primeira vez em 1776 na Royal Academy of Arts. Joshua Reynolds foi o primeiro presidente da Royal Academy. Na pintura, Reynolds retratou um menino polinésio, que foi trazido para a Grã-Bretanha em 1774. O Retrato de Omai foi feito na época das grandes viagens de descobrimento e da exploração da Austrália.O jovem Omai foi descoberto por exploradores em uma ilha perto do Taiti e trazido para a Grã-Bretanha, onde sua aparência exótica, para os britânicos, levou o menino a ser festejado como um nobre selvagem pela sociedade londrina. Seu retrato foi pintado por Reynolds por ser um dos pintores mais célebres da época. Depois da morte do pintor, que mantinha o quadro em sua galeria particular em Londres, o quadro foi comprado por seu amigo Frederick, o 5.º Conde de Carlisle. A pintura ficou no castelo Howard, perto da cidade de York, de 1776 até 2001.O diretor do museu Tate, Nicholas Serota, disse que a doação foi uma das "grandes boas ações da história da filantropia".As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

Agencia Estado,

26 de março de 2003 | 20h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.