Mccoy abre, Mike Stern encerra

As atrações principais da Mimo começaram mornas, com apresentações do pianista caribenho Mário Canonge e da trupe francesa de jazz cigano, Selmer # 607, na sexta e no sábado. Em meio a chuvas que iam e vinham à mercê dos ventos recifenses, Canonge animou a plateia da Igreja da Sé, tocando mescla popular de jazz contemporâneo e ritmos caribenhos. Os franceses, guardiães da tradição manouche de Django Reinhardt, agradaram com o característico pulsar, semelhante ao som de uma locomotiva, do mestre guitarrista.

Roberto Nascimento, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2010 | 00h00

Mas faltava algo de peso, um som estonteante que, por força de expressividade transcendesse a religiosidade sofrida dos altares barrocos que abrigavam os músicos. Faltava McCoy Tyner. Na mesma igreja, o mestre pianista, parceiro de Coltrane, pioneiro em conceitos harmônicos revolucionários fez uma missa de jazz viril, executada com equilíbrio dinâmico, elegância de toque, participação do sax econômico de Gary Bartz e aquela magia que hipnotiza o espectador ao ver e ouvir algo que havia escutado por anos nos discos.

McCoy esquentou a Mimo. Logo após seu show, Tom Zé lotou a praça central e declarou aberta a temporada de carnaval na cidade, decreto confirmado pela Orquestra Contemporânea de Olinda no dia seguinte, quando fez o público cair na algazarra de afrobeats, reggaes e frevos que compõem o ótimo show do grupo.

Na noite de terça, Mike Stern encerrou a mostra com sua boa técnica e, em alguns momentos, alma. Guitarrista baluarte do jazz fusion, parceiro de Miles Davis e Jaco Pastorius nos anos 80, Stern não fugiu do esperado com os conhecidos riffs de blues, distorção e lirismo de bebop que caracterizam o gênero.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.