McCartney e ex voltam à Justiça por acordo de divórcio

Há especulações de que o acordo financeiro pode chegar a R$ 207 milhões.

Da BBC Brasil, BBC

11 Fevereiro 2008 | 14h35

O ex-Beatle Paul McCartney e sua ex-mulher Heather Mills retornaram nesta segunda-feira ao tribunal em Londres para uma audiência em que tentarão decidir um acordo financeiro para o divórcio. A audiência está em andamento e deve durar cinco dias. Há especulações entre especialistas no Reino Unido de que o acordo pode chegar a 60 milhões de libras (R$ 207 milhões). A audiência é particular, e o tribunal não irá divulgar ao público o valor do acordo. A fortuna do ex-Beatle está avaliada em 865 milhões de libras (quase R$ 3 bilhões) e o divórcio de McCartney e Mills pode estabelecer um recorde milionário nos tribunais de divórcios britânicos. Atualmente o acordo financeiro mais alto foi fechado no divórcio do empresário John Charman, em maio de 2007. Ele pagou à sua ex-mulher a quantia de 48 milhões de libras (R$ 165 milhões). Fatores O ex-Beatle e a ex-modelo se casaram em 2002 e têm uma filha, Beatrice, de 3 anos. Desde o anúncio da separação, em maio de 2006, os dois discutem questões financeiras e os direitos da filha. Em novembro, Heather Mills deu uma entrevista à revista de celebridades Hello! em que atacou o ex-marido, chamando-o de "pão-duro". Segundo a especialista em direito da família Suzanne Kingston, as estimativas sugerem que Mills pode receber entre 50 e 100 milhões de libras no acordo final. "Nas negociações entre Mills e McCartney, a situação da filha será uma consideração importante, assim como assegurar que a disparidade entre o estilo de vida dos pais não seja sentida pela Beatrice", disse Kingston. "O fato de ter sido um casamento curto será considerado e a riqueza acumulada durante o casamento pode ser separada da fortuna anterior ao matrimônio", sugere a especialista. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.