Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Matusalém

Algumas ideias do Zuenir e do Ziraldo chegaram ao palco

Luís Fernando Veríssimo, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2018 | 07h07

Há algum tempo, convidaram o Zuenir, o Ziraldo e eu para escrever uma peça de teatro. O assunto, já que a soma das nossas idades dava mais de 250 anos (eu era o caçula!) seria a velhice, suas misérias, seus estragos, seus terrores, suas indignidades - tudo tratado com humor. 

*

Fizemos reuniões para planejar a participação de cada um no roteiro da peça. E reuniões, e reuniões, e mais reuniões, no fim das quais tínhamos exatamente nada. Nem um título. Os produtores nos lembraram, gentilmente, que a produção andava, que já havia uma atriz principal e um teatro contratados, que o espetáculo dependia do texto para ser encenado. Concordamos. O texto era essencial. O texto sairia. Só precisávamos de mais duas ou três reuniões. 

*

Finalmente, o alívio. Para nós e para os produtores, que chamaram um dramaturgo profissional para fazer o texto, aproveitando ideias que - milagrosamente - nós lhe déssemos durante os ensaios. Até hoje não sei a causa daquele branco tripartido que nos embotou o cérebro. Talvez a obrigação de encarar suas velhices e ainda fazer piadas a respeito tenha emburrado os três.

*

Algumas ideias do Zuenir e do Ziraldo chegaram ao palco. Nenhuma ideia minha sobreviveu. Pensei numa entrevista para a TV do Matusalém, o personagem mais longevo da Bíblia, avô de Noé. Matusalém, ao contrário do que todos pensam, ainda não morreu. Vive no Brasil, mais especificamente em Madureira, e chegou para a entrevista na TV de bicicleta.

- E aí, Matusalém. Quantos anos?

- Só vou dizer uma coisa. Na última vez que me fizeram um bolo de velas, a casa incendiou.

- A Bíblia diz que você morreu com mais de 900 anos.

- Vá acreditar na imprensa.

- Você... Posso chamá-lo de “você”?

- Lá na zona me chamam de “Matu”.

- Vivendo tanto tempo, Matu, você certamente se encontrou com muita gente importante...

- Iiiiih ... Diz um aí.

- Noé, seu neto.

- Grande safado. Quase me deixou fora da Arca, só porque eu estava sem mulher na ocasião e só aceitavam duplas.

- Jesus Cristo.

- Amigaço. Numa mesa com Jesus, nunca faltava vinho. 

- Como está se dando no Brasil?

- Mais ou menos. O INSS não aceita meus documentos porque o papiro está se esfarelando e não querem me pagar.

*

A peça não foi um grande sucesso nas teve uma carreira respeitável. Sobraram da experiência três autores penitentes.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.