Matuck expõe seus heróis feitos com Bic

O ilustrador e artista plástico Rubens Matuck passou pouco mais de 30 dos seus 52 anos empregando seu traço preciso na composição de figuras políticas, artistas e intelectuais que iriam aterrissar nas páginas de algumas das principais publicações brasileiras, como as revistas Playboy e Exame e os jornais Última Hora e Folha da Tarde.Sua colaboração mais duradoura, entretanto, se deu no Jornal da Tarde, que exibiu seus desenhos durante dez anos, de 1969 a 1979. A partir de hoje à noite, alguns dos desenhos de Matuck trocam as páginas de jornais e revistas pelas paredes de um restaurante. Quinze desenhos do artista, produzidos nas décadas de 70 e 80 com caneta Bic ou nanquim e pincel ou pena estarão expostos no Buttina, em Pinheiros. Todos também à venda, por preços que variam de R$ 500 a R$ 2 mil.Fazem parte da exposição desenhos do escritor e dramaturgo Nelson Rodrigues, do líder revolucionário cubano Fidel Castro, do cantor Orlando Silva, do ator Procópio Ferreira e do líder negro Martin Luther King.Matuck afirma que utiliza o desenho de linha, geralmente feito com caneta Bic, como um instrumento de percepção da realidade. Para consolidar sua reputação na grande imprensa, Matuck lançou mão, além de seu inegável talento, de um conselho ouvido certa vez do pintor Aldemir Martins: "A disciplina, o compromisso e os prazos exigidos nos veículos de comunicação são fundamentais na carreira de qualquer artista, como no serviço militar", disse-lhe o mestre.Serviço - Exposição e venda de 15 desenhos de Rubens Matuck, de hoje a 13 de abril no Restaurante Buttina, Rua João Moura, 976, Pinheiros, tel.: 3871-3776.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.