Masp vai continuar sem luz

A diretoria do Museu de Arte de São Paulo (Masp) divulga um comunicado à imprensa informando o resultado das negociações do museu com a Eletropaulo, após o corte de energia do edifício determinado pela empresa nesta terça-feira, em razão de uma dívida de R$ 3,5 milhões. Segundo a nota, as negociações indicam que o museu vai continuar sem luz, mas funcionando com geradores. Dirigido pelo arquiteto Júlio Neves, o Masp apresenta atualmente a megaexposição Degas: O Universo de Um Artista, com a obra de Edgar Degas (1834-1917), que levou um ano de preparação. A mostra, estimada em R$ 3 milhões, abriga 196 obras, boa parte de museus estrangeiros como o Musée d?Orsay de Paris; National Gallery de Londres; Metropolitan Museum de Nova York; Musée Picasso de Paris; The Art Institute de Chicago; National Gallery de Washington; e o Museu de Arte da Filadélfia.A falta de luz compromete não só esta mostra, como o acervo de 7.517 peças de arte, incluindo 1.483 pinturas e esculturas e 1.066 gravuras e 1.466 desenhos. Em 1981, esse acervo foi estimado em US$ 140 milhões. Mas é considerado inestimável, sem valor concreto de mercado.Leia a íntegra do comunicado da direção do museu: 1.As últimas 11 contas mensais referentes ao consumo de energia foram devidamente pagas e quitadas.2.Na ocasião em que a concessionária constatou ?consumo irregular de energia?, decorrente de falha técnica no remanejamento do sistema, foram apurados e reconhecidos os débitos financeiros respectivos.3.A quitação de débitos anteriores relativos ao fornecimento de energia, tem sido objeto de tratativas referentes a utilização de créditos tributários de terceiros, os quais, entretanto, não foram aceitos pela concessionária.4.Estamos empenhados, juntamente com a Direção da Eletropaulo, na busca de uma solução para a pendência. 5.Para atendimento do funcionamento normal do MASP a energia está sendo provida através de geradores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.