Masp exibe obras de Amedeo Modigliani

Masp exibe obras de Amedeo Modigliani

Mostra do italiano chega ao museu trazendo 37 trabalhos, entre pinturas, desenhos e esculturas

CAMILA MOLINA - O Estado de S.Paulo,

17 de maio de 2012 | 07h52

Uma mostra didática, Modigliani: Imagens de Uma Vida, que é inaugurada hoje no Masp e era esperada como um destaque do Momento Itália-Brasil, chega a São Paulo reduzida. Em Vitória, a exposição itinerante tinha 150 obras; no Museu Nacional de Belas Artes do Rio, 166 peças; e agora na capital paulistana, apresenta 61 trabalhos, deles, apenas 11 pinturas do artista. São Paulo é justamente a cidade onde o pintor e escultor italiano Amedeo Modigliani (1884-1920), criador de importância no século 20, está representado em dois importantes acervos - no do próprio Masp, por seis quadros (apenas um está na mostra, o retrato de Madame G. van Muyden); e no do Museu de Arte Contemporânea da USP, por seu autorretrato, datado de 1919, que não foi emprestado para a exposição.

"Por causa do espaço que conseguimos no Masp a mostra ficou menor aqui", diz Olivio Guedes, diretor do Museu Brasileiro da Escultura e da Casa Modigliani em São Paulo e que assina a curadoria da exposição ao lado de Christian Parisot, presidente do Modigliani Institut Archives Légalés Paris-Roma. A exposição, preparada há dois anos, começou sua itinerância na China e depois chegou ao Brasil. Após a exibição no Masp, no espaço ao redor da galeria do subsolo da instituição, a mostra seguirá para o Museu Oscar Niemeyer em Curitiba.

Modigliani: Imagens de Uma Vida tem como cerne uma linha do tempo que apresenta a trajetória do artista, desde sua formação na Itália até o período áureo vivido por 14 anos em Paris, entre 1906 e até sua morte - tísico, era um homem de saúde frágil. Foi na capital francesa, num momento de efervescência artística e cultural e de encontro com criadores como Picasso, Max Jacob, Chaim Soutine e Moise Kisling - que Amedeo Modigliani criou seu estilo tão próprio. Em suas pinturas de retratos, sobre fundos neutros, as figuras, principalmente, femininas, têm o pescoço longilíneo. O artista, assim, alongava a área que vai do corpo à cabeça de seus modelos - muitos, ilustres amigos -, o que se tornou sua marca. São famosos também seus nus e uma das maiores belezas de suas telas é a maneira como ele representa o olhar de quem retrata.

"Eu o considero um artista reducionista, que compreendeu a complexidade do mundo", diz Guedes. A mostra traz 37 obras de Modigliani, entre pinturas, desenhos e esculturas, como trabalhos de mestres e amigos e até telas feitas por sua mulher, Jeanne Hébuterne, que se suicidou grávida depois da morte do artista. Há também cartas, diários e fotografias.

Tudo o que sabemos sobre:
Amedeo ModiglianiMasp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Stan Lee: todas as 29 aparições nos filmes da Marvel
  • Projeta Brasil do Cinemark apresenta filmes brasileiros por apenas R$ 4
  • Glória Maria faz cirurgia para remover lesão cerebral e passa bem
  • MIS abre novo lote para exposição imersiva de Da Vinci 
  • Mônica San Galo lamenta morte de Jesus Sangalo: 'pode-se morrer de mágoa'

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.