Marina Abramovic/Divulgação
Marina Abramovic/Divulgação

Masp abre sua Bienal

A artista Marina Abramovic é uma das estrelas internacionais da mostra, ao lado de Alfredo Jaar

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2013 | 02h11

Iniciada em 1990, a mostra Pirelli de Fotografia, que formou a coleção do Museu de Arte de São Paulo, virou a FotoBienalMasp, que reúne trabalhos de 35 artistas brasileiros e estrangeiros. O público poderá ver, a partir de sexta (16), cem imagens selecionadas pelo curador convidado Ricardo Resende, marcando uma nova fase da parceria entre o Masp e a Pirelli, que vai adquirir algumas dessas fotos para a coleção do museu, hoje com mais de mil obras. Os candidatos a figurar na coleção são muitos: há desde estrelas internacionais, como a performática Marina Abramovic, que começou sua carreira nos anos 1970, e o chileno Alfredo Jaar, mais conhecido por suas instalações, até fotógrafos da nova geração, como o mineiro Pedro Motta, e coletivos como a Cia. de Foto, criado há dez anos pelo pernambucano Pio Figueiroa, hoje com outros três integrantes: Rafael Jacinto, João Kehl e Carol Lopes .

Concebida pelo curador-chefe do Masp, Teixeira Coelho, a FotoBienal tem em sua primeira edição fotos que dialogam com outras expressões artísticas, especialmente a performance. "Não é uma bienal temática, mas uma exposição orientada por uma abordagem mais ampla, que vê a fotografia como manifestação artística além do registro da imagem", diz Resende, citando como exemplo o trabalho de artistas dedicados a performances, como Marina Abramovic, ou a fotos de ação, como as do skatista profissional Fabiano Rodrigues, que desde 2010 dispara sua Hasselblad por controle remoto e registra suas manobras, inclusive dentro de templos artísticos, como a Pinacoteca e a Bienal de SP.

Um dos trabalhos que será exibido pela primeira vez é a série de fotos Marcha, feita pelo coletivo Cia. de Foto. Há dois anos, o grupo gravou em vídeo uma marcha de operários do Bom Retiro a caminho da Estação da Luz no fim do expediente. A série apresentada na FotoBienalMasp é composta de fotografias extraídas do vídeo e tratadas artisticamente, outro traço que caracteriza a seleção da curadoria, privilegiando trabalhos cuja natureza é a de repensar o conteúdo da imagens registradas. No caso da série Marcha, o vídeo documenta uma multidão apressada, enquanto as fotos retrabalhadas para a exposição do Masp atentam para o detalhe, destacando feições antes indefinidas.

"Queríamos mudar os rumos da mostra da Coleção Pirelli", justifica Teixeira Coelho, indicando não só a alteração da periodicidade da mostra - agora bienal - como o processo de escolha das obras. Com a realização de dois em dois anos, aumentam as chances de convidar artistas estrangeiros, sempre às voltas com bienais e mostras internacionais, e de não repetir sempre o mesmo elenco. Pelo menos seis fotógrafos participantes da primeira edição da FotoBienalMasp já fazem parte da Coleção Pirelli: Luiz Braga, Rochelle Costi, Pedro David, Odires Mlászho, Pedro Motta e Mauro Restiffe.

A internacionalização da coleção só será possível, segundo o curador-chefe do Masp, com um espaço maior de tempo para o curador convidar grandes nomes da fotografia. "O critério Brasil parece superado", diz Teixeira Coelho, concluindo: "Precisamos nos abrir para cotejar a produção nacional com a estrangeira". Esse cotejo vai ser decisivo para o crescimento da coleção do museu. Em setembro, um comitê curatorial vai escolher as obras que deverão entrar no acervo. "Podem ser 20, 30 fotos, o que vai depender do que está disponível para aquisição e, naturalmente, dos preços das obras, que subiram muito no mercado internacional." A FotoBienalMasp tem um orçamento de R$ 1,7 milhão.

O curador pretende criar um espaço permanente para expor a coleção de fotografia do Masp no anexo localizado ao lado do museu, cujas obras estão paralisadas há um ano e meio por causa de uma disputa judicial com a Vivo, que doou o prédio. Nomes não faltam para enriquecer o acervo: a seleção de Ricardo Resende tem um dos melhores fotojornalistas em ação hoje no mundo, o argentino Fernando Arias, e o espanhol Isidro Blasco, além de premiados fotógrafos brasileiros, entre eles Luiz Braga, Caio Reisewitz e Odires Mlászho, que representa o Brasil na Bienal de Veneza.

FOTOBIENALMASP

Masp. Av. Paulista, 1.578. 3251-5644.

De 3ª a dom. e feriado, das 10 h às 18 h;

5ª, das 10 h às 20 h. R$ 15 (3ª grátis). Até 13/10.

A partir de 16/8.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.