Máscaras de Guto Lacaz abrem Espaço dos Satyros

Depois de passar 7 anos em Portugal, mais 3 anos na Alemanha, rodar mais de 15 países e produzir 29 peças, o grupo de teatro Satyros abre hoje o seu espaço em São Paulo. A programação cultural definitiva começa, às 21 horas, com a reestréia da peça Retábulo da Avareza, Luxúria e Morte, seguida da inauguração do bar Café Teatro com a exposição de Guto Lacaz e um show de samba de bamba com Leitícia Coura, às 23 horas. O endereço da Praça Roosevelt, 214, escolhido pelo paulista Rodolfo Garcia e o curitibano Ivam Cabral, criadores do Satyros, já havia sido aberto em dezembro do ano passado para a estréia de Retábulo da Avareza, Luxúria e Morte, mas só agora o espaço está completo. "Nosso objetivo este ano é priorizar São Paulo, e povoar este espaço como um centro ativo de produção não só de teatro, mas também de música, cinema e literatura", conta Ivam Cabral que passou 7 meses do ano passado entre Berlim e Curitiba. O grupo tem uma sede na capital paranaense e faz a curadoria cultural das atividades da ONG alemã Interkunst. O espaço é bem pequeno. Para a peça a lotação é de 50 pessoas e nos shows musicais o público pode chegar a umas 70 pessoas, mas eles acreditam que é o suficiente para fazer atividades interessantes. Uma prova disto é a exposição de Guto Lacaz que abre o Café Teatro nesta sexta. O artista preparou uma pequena coleção de 7 máscaras, exclusivas para o espaço. "Pensei nos arquétipos do teatro, as máscaras e os personagens típicos desta arte", conta. As máscaras vão ficar expostas nas paredes do Café Teatro durante um mês e depois vão servir de "presente para alguns amigos", revela Guto Lacaz. "Quando eles me pediram uma exposição para o novo bar, eu gostei da idéia de colocar nas paredes figuras que ficassem olhando para o público enquanto ele freqüenta o Café Teatro, para contrapor com a observação do público à arte", diz Guto. As obras seguem o estilo típico de Guto Lacaz, artista conhecido pelas formas sintéticas, geométricas e cores vibrantes. "Todo meu trabalho surge do desenho, e eu desenhei muitas máscaras diferentes, acho que essa idéia ainda vai crescer e quem sabe eu até monte uma grande coleção com este tema mais para frente", planeja. Na coleção, os sete arquétipos são o diabo, o palhaço, um robô, um faraó, uma moça, um rapaz e um senhor. "Surgiu a idéia de fazer com caixas de sapatos, mas ficou difícil de concretizar, então fiz com uma estrutura de papel cartão parecido com as caixas de sapato", diz Lacaz.Shows - Aos sábados. às 23 horas, o teatro do Satyros vira casa de shows. A programação musical começa com o show Revista do Samba de Leitícia Coura, Beto Bianchi e Vítor da Trindade, dando uma nova roupagem para clássicos do gênero como Pelo Telefone de Donga, Os Home Implica de Pixinguinha e Carmen Miranda. As influências do repertório do show vêm das canções de teatro de revista, mas inclui também algumas composições do grupo. Leitícia ainda acumula o cargo de direção musical da peça Retábulos da Avareza, Luxúria e Morte e vai fazer a programação musical do espaço. O Revista do Samba fica em cartaz aos sábados até depois do carnaval, mas Leitícia pretende ampliar para os outros dias da semana as apresentações musicais. "A intenção é priorizar os novos talentos a música brasileira, mas ainda estamos experimentando os horários e os dias", diz Leitícia. De sexta a domingo os musicais devem começar depois das 23 horas para não coincidir com a peça Retábulos. "Durante a semana as atividades começarão mais cedo, queremos deixar quarta e quinta para shows musicais e segunda e terça para a literatura, com sarais e leituras", revela Leitícia.Segundo ela a próxima temporada musical do Espaço dos Satyros vai ser a de Adriana Capparelli com Pequeno Círculo Íntimo, um show dela com músicas de Aldir Blanc. "O objetivo é ser um espaço para dar aos músicos uma temporada longa, para todo o público poder ver o show", afirma Leitícia. Os shows vão custar R$ 10, com meia entrada estendida aos estudantes, músicos, atores de teatro e idosos.Voltando ao teatro - O Espaço dos Satyros reestréia hoje a peça do grupo Retábulo da Avareza, Luxúria e Morte, dirigida por Rodolfo García Vásquez e baseada nos textos do espanhol Ramón Del Valle-Inclán. A peça foi uma boa surpresa no fim do ano passado. Na encenação o público fica sentado em mesas como em um cabaret, degustando vinhos e pães, enquanto serve de figurante para a montagem. São três curtas histórias interligadas pela principal A Cabeça do Batista. Usando recursos do meta-teatro, teatro de marionetes e de sombras, o grupo faz uma tragicomédia musical, com as canções interpretadas pelos próprios atores. A peça fica em cartaz até 29 de abril. Teve, até agora, todas as apresentações lotadas. Depois disso, Ivam planeja trazer para o espaço algumas das outras peças do repertório do grupo que o público ainda não conheceu. "Temos um material muito vasto que apresentamos na Europa e não conseguimos montar aqui em São Paulo e agora com este espaço vamos conseguir montar as nossas peças aqui", conta Ivam. Os projetos para teatro continuam. Em fevereiro eles montam 500 Vozes baseado no texto do paranaense Zeca Correia Leite. "Ele fala muito do universo feminino e nesta peça, especificamente, sobre a vida de uma atriz", revela. Em março começa também os cursos e oficinas livres, o primeiro curso vai ser como fazer e manipular bonecos. "O espaço é pequeno mas se a gente conseguir mantê-lo ocupado de atividades todo o tempo, vamos teremos um público interessante para os nossos projetos", conclui Ivam otimista. Retábulo da Avareza, Luxúria e Morte - Reestréia dia 19 de janeiro, sexta-feira às 21 horas. Praça Roosevelt, 214, tel.: 258-6345 Capacidade 50 pessoas. Duração de 1h30 min. Censura livre. Ingressos a R$ 20,00 e R$ 10,00 para estudante. Estacionamento conveniado a R$ 3,50 Temporada sextas e sábados às 21 horas, domingos às 20 horas até 29 de abril.Revista do Samba - estréia sexta às 23h e faz temporada aos sábados às 23h até 17 de fevereiro. Capacidade 70 pessoas. Ingressos R$ 10. Duração 1h .

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2001 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.