Martinho da Vila apresenta peça sobre sua vida em SP

O sambista Martinho da Vila chega a São Paulo para contar sua história no Teatro Fecap, em temporada de duas semanas, a partir de hoje até o dia 4 de novembro. Trata-se de um espetáculo feito para o teatro, com direção de Elifas Andreato e Homero Ferreira, e ainda uma oportunidade para integrá-lo a um documentário, em parceria com a MVA e o Canal Brasil. O sambista comemora 40 anos de carreira. ?O espetáculo foi elaborado para o teatro e coincidiu com um documentário que está sendo produzido sobre a minha história?, conta Martinho. O documentário já vem tomando corpo há ?alguns meses?, mas a proposta do show surgiu ?não tem muito tempo não?, como diz o carioca. Daí surgiu a idéia de aliar os dois projetos. ?O show agrega o documentário. Então vamos fazer e filmar também?. Intitulado ?Minha História - Uma conversa musical com Martinho da Vila?, a apresentação tem a intenção de ser intimista, mas despojada. Nele, o compositor e cantor carioca fará um panorama de seus 40 anos de carreira - desde a infância no interior do Estado do Rio, passando por sua criação em morros, como a Boca do Mato, até os dias de hoje. ?Para contar minha história é complicado, porque ela é grande. Então pensei em falar das minhas fontes, de onde nasci e cresci. Depois falo de São Paulo, quando comecei na música, nos festivais, e falo das minhas andanças por aí. Tudo ponteado com músicas alusivas. É história contada, e permeada com música?, conta o sambista. Para o show, Martinho fez um apanhado de seu acervo musical. Traz ao repertório canções como ?O Pequeno Burguês?, ?Menina Moça?, ?Disritmia?, ?Canta, canta minha gente?, além de ?Vou Viajar? (com Arlindo Cruz) e ?Meu País?, com Rildo Hora. Esta última ele compôs dois anos antes das Diretas Já, que ocorreu em 1984 e que lutava por eleições presidenciais com participação popular. Política de lado, a pauta do momento é contar sua história ao público de São Paulo. O segredo para manter o sucesso, diz ele, é nunca ter tido pressa, nem muita pretensão. ?Sempre fui fazendo as coisas sem me preocupar muito com a história, simplesmente vou e faço. Procuro não me auto-analisar, isso eu deixo para os historiadores. Me perguntam como é que eu consigo fazer tanta coisa, e eu digo: ?porque vou devagar, devagarinho mesmo??. Martinho da Vila. Teatro Fecap, Av. Liberdade, 532, tel (11) 3272-2277. Temporada: de hoje a domingo (sem show na sexta) e do dia 1º a 04/11. Quinta a sábado, às 21h, e domingo, às 19h. R$ 80.

PEDRO HENRIQUE FRANÇA, Agencia Estado

25 Outubro 2007 | 16h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.