Martin Sheen diz que precisou ser duro com filho viciado

O ator Martin Sheen disse que, comopai de um dependente de drogas, a única maneira de ajudar seufilho foi correr o risco de ser odiado por ele e até mesmodenunciá-lo às autoridades. O ex-astro de "The West Wing" contou que depois dedescobrir que um de seus quatro filhos, o ator Charlie Sheen,era dependente de drogas, fez todo o possível para ajudá-lo, aoponto de tornar-se "fanático". "Quando uma vida está em jogo e essa vida é de seu filho,você se torna destemido de várias maneiras", disse Sheen, de 67anos, na edição mais recente da AARP The Magazine, uma revistavoltada ao público americano aposentado. "Você está diante de uma situação de vida ou morte. E aparte crítica da equação é: você está disposto a arriscarincorrer no ódio de seu filho? Ele não vai gostar de você. Nempense em ele lhe amar. Ele vai lhe xingar dos piores nomespossíveis." Martin Sheen disse que era muito difícil conseguir que seufilho o ouvisse, mas que sua chance chegou quando Charlie Sheenfoi hospitalizado por overdose de drogas, em maio de 1998, eentão fugiu do hospital. Sheen disse que foi ele quem pagou a conta do hospital, porisso ficou sabendo porque seu filho tinha sido internado: porconsumir substância ilegal enquanto estava em liberdade sobfiança, proibido de usar tais substâncias. "Era um assunto criminal. Então era essa a abordagem que eutinha. Foi por isso que eu o levei ao tribunal; foi por issoque o denunciei ao delegado. Foi a única maneira em que eupodia segurá-lo", disse Sheen. Sheen denunciou a overdose ao juiz, e seu filho foicolocado num programa de reabilitação de dependentes. Desde então, Charlie Sheen, de 42 anos, tornou-se um dosatores mais bem pagos da televisão, como astro da sitcom "Twoand a Half Men", e agradeceu a seu pai por tê-lo salvo. "A estrada que leva à dependência e que conduz a pessoapara fora dela é uma jornada profundamente pessoal. Não existemduas que sejam iguais", disse Martin Sheen, acrescentando quesuperou sua dependência do álcool com a ajuda de sua fécatólica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.