Mário de Andrade, escritor das vanguardas, em nova edição

Obras 'Macunaíma', 'Amar, Verbo Intransitivo' e 'Os Filhos da Candinha' são relançadas pela editora Agir

Ubiratan Brasil, de O Estado de S. Paulo,

18 de janeiro de 2008 | 17h53

Era um homem muito peculiar - alto, lábios grossos, queixo proeminente, testa larga que revelava uma calvície avançada, gestos amplos, voz forte, Mário de Andrade (1893-1945) tinha o dom de reunir as pessoas. De corpo presente, nas inúmeras cartas que trocou ou em sua vasta obra, o escritor compartilhava sentimentos, alegrias e ansiedades, permitindo um enriquecimento intelectual mútuo. Se nem sempre criou textos excepcionais, Mário foi sempre brilhante por apontar novos rumos, como comprova a reedição de sua obra, trabalho agora assumido pela editora Agir.  Veja também:Galeria de retratos de Mário de Andrade  Serão 29 títulos, iniciados por três essenciais: a rapsódia Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter, o idílio Amar, Verbo Intransitivo e as crônicas reunidas em Os Filhos da Candinha. "Até o final do ano, outros oito livros serão relançados", conta Paulo Roberto Pires, diretor editorial da Ediouro (da qual a Agir faz parte), lembrando que cada volume só chega às livrarias depois do trabalho realizado pela Equipe Mário de Andrade do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), verdadeiro santuário onde o arquivo do escritor está guardado, sob a coordenação por Telê Ancona Porto Lopez. O grupo fez vários cotejamentos com as edições publicadas com o autor ainda vivo para, assim, estabelecer a versão definitiva. "Creio que dificilmente teremos edições mais próximas da vontade o Mário do que estas", comenta Pires. A disposição dos familiares do escritor em reeditar a obra (da qual apenas alguns volumes esparsos são ainda encontrados nas livrarias) facilitou o trabalho da Agir, que enfrentou uma pequena concorrência de outras editoras até conquistar o direito de dispor dos títulos. Para se medir a importância de tal vitória, um evento vai marcar oficialmente o lançamento dos três primeiros livros.  A partir das 19 horas de segunda-feira, a Livraria Cultura do Conjunto Nacional será palco de uma homenagem a Mário de Andrade. O ator Pascoal da Conceição, cuja semelhança física já o levou a participar tanto de um comercial do Imposto de Renda como da minissérie Um Só Coração interpretando o escritor, vai comandar a festa. Ele também vai ler trechos dos livros. Para lembrar a imensa e valorosa correspondência que Mário trocou com inúmeros artistas (e que não faz parte deste pacote da Agir), escritores como Marcelino Freire e André Laurentino vão ler seus e-mails fictícios para o autor, como uma homenagem. Os textos são divertidos e confessionais: "Este é o segundo e-mail que escrevo a você. O outro, apaguei. Sinto que nele eu estava fazendo pose. Numa carta, você mesmo disse, não se deve fazer pose. Devemos estar inteiros em cada sílaba", escreve Laurentino. Todas as mensagens estarão disponíveis no site em homenagem ao autor de Macunaíma (www.mariodeandrade.net), que entra no ar na noite de segunda. Finalmente, o grupo A Barca apresenta um pocket show, baseado nos registros feitos pelo escritor ao longo de sua vida e durante a Missão de Pesquisas Folclóricas, de 1938.   Lançamento da Edição Definitiva da Obra de Mário de Andrade. Teatro Eva Herz - Livraria Cultura (166 lug.). Av. Paulista, 2.073, Conjunto Nacional. 2.ª feira, 21, 19h. Entrada franca

Tudo o que sabemos sobre:
Mário de Andrade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.