Marina Person ancora Metrópolis, que abraçará programas extintos

Caberá à Ancine fiscalizar o limite de publicidade veiculado pelos canais pagos, mas a punição em casos de canais que ultrapassarem 15 minutos de intervalo por hora ainda não está estipulada. As sanções serão definidas no regulamento de penalidades que está para entrar em consulta pública.

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2012 | 03h10

A duas semanas do Natal, o montante de intervalos nos canais infantis Cartoon Network e Discovery Kids chegou a ultrapassar 25% por hora, segundo monitoramento realizado pelo Observatório de Mídia da Universidade Federal do Espírito Santo e pelo instituto Alana.

O Multishow tomou da OiTV a série Os Buchas, que começou via internet e agora já alcança voos mais altos. Com Gregorio Duvivier e Silvio Guindane, estreia no canal da Globosat no dia 2.

A RedeTV! nem pensa em rebatizar ou fazer qualquer tentativa de tradução com o Saturday Night Live, mesmo que o programa pilotado por Rafinha Bastos vá ao ar nas noites de domingo.

"É um referencial muito forte, todo mundo faz programa de humor querendo ser um pouco Saturday Night Live. Por que a gente, tendo o direito de usar o nome, mudaria isso?", disse à coluna a diretora de Programação da RedeTV!, Monica Pimentel.

Vai ganhando espaço no jornalismo do SBT a tendência de trocar cinegrafistas por operadores de câmera, profissionais de menor custo para a empresa. Também está em discussão na Anhanguera o corte de editores de imagens, cujo trabalho seria acumulado pelos editores de texto, o que compromete a qualidade final das reportagens na TV.

As reformas em discussão no SBT têm à frente Raimundo Lima, que fez o mesmo na Band, onde a edição de imagens das reportagens apresenta resultados toscos.

"Tô com um pé calçado e o outro descalço. Mancando, mas caminhando." Carlinhos de Jesus a Amaury Jr, ontem na RedeTV!, sobre o filho Dudu, morto no ano passado.

Com o fim do Cultura Retrô, Marina Person é carta certa na apresentação do novo Metrópolis. A Cultura já removeu o programa para o fim de noite desde anteontem (no horário da 0h30) e é essa a vaga que lhe caberá após a estreia da nova apresentadora. Com 24 anos no ar, a revista eletrônica busca uma receita de talk show de fim de noite e vem bancando a construção de um cenário que pretende se mostrar como uma grande sala de bate-papo.

A ideia é que aquele espaço incentive o debate, permitindo a participação de todos os convidados do dia, e que o programa amplie seu universo de cobertura na área cultural. Um olho no público jovem também é item que norteia a nova pauta.

A estreia, ainda sem data definida, será em abril. No papel, a proposta é que o programa possa dar conta de todos os conteúdos extintos recentemente pela emissora, em razão de cortes na folha de pagamentos - 50 pessoas foram demitidas.

E cabe tudo no novo Metrópolis? A Cultura garante que sim. Com 30 minutos atuais, o programa ganhará mais 15 no novo formato, passando a 45 minutos de edição diária. A parte que cabe ao Entrelinhas nesse latifúndio somará seis minutos por dia. Antes programa e agora quadro, o título continua sob o comando de Manoel da Costa Pinto, com a promessa de explorar entrevistas e lançamentos relevantes no campo da literatura. O Vitrine, também extinto, será ali representado por cenas de bastidores de produções teatrais, de cinema e web.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.