Marido da cantora Amy Winehouse se declara culpado

Segundo policiais, Blake Fielder-Civil admitiu que agrediu o proprietário de um pub, em 2006

Reuters,

09 de junho de 2008 | 13h10

O marido da cantora britânica Amy Winehouse admitiu que agrediu o proprietário de um pub, em 2006, em vez de tentar encobrir esse fato, segundo afirmaram policiais da corte de Snaresbrook, no centro de Londres, nesta segunda-feira, 9.   Veja também: Amy Winehouse aparece em vídeo cantando música racista   Blake Fielder-Civil, de 26 anos, confessou ter cometido graves danos corporais ao dono do pub e também que fez conspiração para distorcer o curso da Justiça.   Amy, que ganhou cinco prêmios Grammy em fevereiro, visitou o marido na cadeia várias vezes e citou o caso em alguns shows recentes.   A alegação de culpa poderá ser comunicada depois de o juiz David Radford levantar restrições sobre o caso, segundo declarou o oficial da corte Snaresbrook Crown, em Londres.   Amy, de 24 anos, e Fielder-Civil, ambos do norte de Londres, se casaram em maio de 2007, em Miami, e nos meses seguintes foram sistematicamente perseguidos por paparazzi. Ambos aparecem sempre nos tablóides de celebridades no Reino Unido.   Fielder-Civil, músico e assistente de vídeo, tem perdido muito tempo do seu primeiro ano de casamento atrás das grades. Amy apareceu na corte na semana passada para dar apoio ao marido durante uma demorada audiência antes pré-julgamento.   Os críticos presentes alguns dos seus últimos espetáculos disseram que a cantora, que tem lutado contra o vício das drogas e se internado em uma clínica de reabilitação em janeiro, parecia estar profundamente perturbada com o caso do marido.   Três dos co-acusados de Fielder-Civil no caso também alegaram culpa das acusações relacionadas com o crime, e o proprietário do pub, James King, enfrenta por si só julgamento sob a acusação de perverter o curso da justiça após se declarar inocente. O grupo será condenado em data a ser definida.

Tudo o que sabemos sobre:
Amy WinehouseBlake Fielder-Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.