Maria Ribeiro

ELA QUERIA SER JORNALISTA, VIROU ATRIZ, LANÇA DOCUMENTÁRIO SOBRE DOMINGOS OLIVEIRA E PROVA QUE É MUITO MAIS DO QUE 'A MULHER DO CAPITÃO NASCIMENTO'

Flavia Guerra, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2010 | 00h00

Sua imagem é em geral associada à da mulher do Capitão Nascimento. Isso incomoda?

Não, os antenados sabem que sou atriz há tempos. A Rosane marcou, mas não me resume. Aliás, acho até que dei a ela mais características minhas do que devia.

Quais? Em Tropa de Elite 2 ela tem mais destaque?

Tem bem mais destaque. Passaram-se 15 anos e o Nascimento virou coronel. A Rosane, de "mulher de polícia" que quer o marido longe da corporação, passa a mulher madura e consciente. No primeiro filme, só desejava que ele saísse da Tropa, não sabia das torturas. Mesmo sendo passiva, emprestei a ela meu caráter contestador. A cena do "fala baixo que teu filho está dormindo" não estava no script. Sou do tipo que discute e dá opinião. Estudei jornalismo para aprender e debater sobre tudo.

Mas virou atriz, diretora, está escrevendo um roteiro...

Entrei para o teatro por acaso: estudava jornalismo e também teatro. Conheci o Domingos Oliveira, fiz com ele Confissões de Adolescente e não parei mais.

E hoje lança um documentário justamente sobre o Domingos.

É, eu queria ser o Domingos. Foi nele que sempre me inspirei, no seu teatro, seu cinema, no jeito de levar a vida. Quis retratar isso. É um filme intimista, fiz a câmera, as entrevistas. Vou lançar agora, mas sem pretensões. E escrevo o roteiro de um longa sobre jovens nascidos no exílio durante a ditadura militar. Talvez o Caio (Blat, seu marido) dirija.

Vocês acabam de atuar e coproduzir 90 Minutos. Como é ser um casal no lar e no set?

Desafiador. Decidimos produzir porque é uma forma de aumentar a participação em filmes de baixo orçamento. Mas filmar cenas íntimas amedrontou no início. No fim, deu tudo certo.

Dá certo trabalhar junto e ainda conciliar a criação dos filhos?

Claro! Caio é superpai, ajuda com João (de 7 anos, filho dela com Paulo Betti) e com Bento (4 meses, do casamento com Caio). Preservamos nossa individualidade. Caio viaja agora para filmar Xingu e fica um mês fora. Estou adorando. Vou poder finalmente ler um livro (risos).

Mãe, atriz, roteirista, diretora, colunista da TPM. Falta algo?

Aprender a cozinhar. O que é mais básico do que fazer a própria comida? É meu novo projeto!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.