Maria Bonomi inaugura mostra "Infecção da Memória"

A artista plástica Maria Bonomi inaugura hoje para convidados, e amanhã para o público, no saguão da BM&F (Bolsa de Mercadorias & Futuros), na Praça Antônio Prado, a mostra Infecção da Memória, que se apresenta dividida em duas partes: uma institucional - com gravuras de décadas longínquas, xilogravuras que marcaram o nome de Maria Bonomi como uma das melhores de nosso país -, e outra experimental, com gravuras também, projeções e uma ação pública. Aos quase 70 anos, Maria Bonomi diz que a gravura já não tem mais aquele peso da técnica, mas, depois de tanto tempo, é sua linguagem que a fascina, a "atitude" da gravura de penetrar na matéria e dela retirar sulcos e possibilidades é que provoca novos tipos de reflexão. Dessa maneira, é o segmento experimental dessa mostra que interessa, justamente por ser a parte "aberta, provocativa, um convite à participação do público", como define o curador João J. Spinelli. De dentro do espaço cultural, um caminho de fragmentos de suas obras impressas em PVC sairão pela porta, chegando à praça para qualquer transeunte ou visitante os levar para casa. É obra pública, arte para qualquer um, uma ação que bem fica representada num vídeo realizado pela artista e que também faz parte da exposição. A artista colocou no centro de São Paulo uma série de 50 fragmentos e filmou a seqüência disso. Os fragmentos foram levados em cerca de sete minutos. "Era uma retirada explícita. Teve um menino que dizia: ´arte de graça´ - e todos foram pegando as obras", conta Maria Bonomi. Maria Bonomi - BM&F. Pça. Antônio Prado, 48, metrô Sé, 3119-2404. 10h/18h (fecha sáb. e dom.). Grátis. Até 22/7. Abertura hoje, 18h30, para convidados

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.