Maria Bonomi faz cenário para teatro

Outro recente projeto de MariaBonomi é a criação do cenário da peça de teatro Tarsila, quetem estréia prevista para o dia 13 de março, no Sesc Consolação,em São Paulo. Com texto de Maria Adelaide Amaral, direção deSérgio Ferrara e protagonizada pela atriz Esther Góes, oespetáculo é baseado na vida da artista plástica modernistaTarsila do Amaral. Maria Bonomi tem experiência em fazer cenários teatrais.O primeiro assinado por ela foi para a peça Feiticeiras deSalém, dirigida por Antunes Filho, em 1960. No mesmo anotambém criou os cenários dos espetáculos Fim de Jogo,dirigido por Carlos Kroeber, e Hoje Comemos Rosas, de PauloAutran. Seu último trabalho foi em 1989 para a peça Noite naTaverna, com direção e adaptação de Ademar Guerra e OswaldoMendes. Agora, Maria Bonomi diz que só aceitou o convite porpaixão a Tarsila, à própria autora e a Ferrara. "Prefiro fazerum teatro fixo que é a obra de arte pública", diz a artistaremetendo ao projeto para a Estação da Luz. Segundo ela, o cenário será formado por três planos,tendo um cavalete como âncora de toda a peça. O primeiro serásobre Tarsila no exterior, com preferência pelas obras dosartistas que ela viu e com os quais conviveu. O espetáculocontará com muitas projeções. O segundo plano será o daintimidade da artista: O ateliê da casa dela, o espaço de suavida artística e pessoal. No terceiro plano, estará o cavalete que simboliza a obra da artista. É o plano da essência,do artista criador, diz Maria Bonomi. Os planos vão se interagir - mas o real e o irrealestarão definidos. Outra característica será a de deixar umespaço vazio com uma rampa no fundo do palco, onde os atoresentram para a cena vindo do infinito. Lá atrás é o espaço damemória. Porque são todas pessoas mortas, míticas, como Mário deAndrade, Oswald de Andrade. O mito nunca sai pela porta. Elesobe, entra, desaparece.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.