Margareth Atwood: animal ganha do homem no tópico sexo

A escritora canadense Margaret Atwood fez ontem a palestra maisdivertida da Festa Literária Internacional de Paraty, ao discorrer sobre temas nada engraçados como devastação ecológica,mutação genética e o mundo do futuro, presentes em seu recém-lançado "Oryx e Crake", um livro de ficção nada otimista sobreo sobrevivente de uma hecatombe.Apresentada pela agente literária e editora Liz Calder, a escritora definiu seu livro como ficção especulativa, recusando-se aaceitar as críticas que o definem como uma obra depressiva. A autora comparou livros a pessoas. Disse que o autor perde ocontrole sobre ele assim que ganha o mundo. Bem-humorada, a escritora começou a contar piadas sobre escritores, toda elas tendo como cenário o inferno e comoprotagonista o demônio, evidentemente uma criatura mais ocupada que os editores de livros e tão impotente quanto para salvartextos ruins. A editora Liza Calder tentou desviar o assunto falando sobre o papel do sexo em ´"Oryx e Crake". Os animaisganharam nesse tópico. "Eles não têm ciúmes, não inventam que estão om dor-de-cabeça, não se preparam para encontroscasuais e, sobretudo, não escrevem letras de tango", brincou. A interlocutora Margaret Atwood tentou outro caminho para abordar o assunto: "Um dos personagens diz no livro que a guerrarouba o tempo do sexo. Você acredita nisso? A escritora, irônica, respondeu: "Não coloque em minha boca falas de meuspersonagens´". Com isso, a autora defez a suspeita e que seu livro encerra uma lição moral como as fábulas de La Fontaine."Tchecov dizia que não usava tocar em seus personagens", justificou. Revelando como suas principais influências Shakespeare e o escritor George Orwell, autor de uma parábola política exemplar("Revolução dos Bichos") e de um clássico de ficção sobre totalitarismo no futuro ("1984"), a escritora disse que sua militânciaambientalista é fruto de uma educação voltada para o futuro. "Nem poderia ser de outra forma, porque o planeta tem um limite e jáo atingimos", justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.