Marco Lacerda lança na terça autobiografia ´não autorizada´

As Flores do Jardim da Nossa Casa é um relato marcado por verdade cortante

Agencia Estado

26 Junho 2007 | 17h23

Um detalhe chama a atenção no livro As Flores do Jardim da Nossa Casa (Terceiro Nome, 224 págs., R$ 34), que Marco Lacerda lança nesta terça-feira, 26, no Ritz Itaim: trata-se de uma autobiografia não autorizada. Ou seja, uma intrigante narrativa em que a fronteira entre ficção e realidade se revela enevoada. "Nunca pensei que tivesse força de vontade suficiente para chegar aos 40 anos, mas já que cheguei...", escreve ele, logo nas primeiras linhas, ainda despreparado para o que vem em seguida: na véspera do aniversário, ele é assaltado em seu apartamento, nos Jardins, e só é resgatado por dois amigos que o soltam da cama onde ficou amarrado. É o início de um relato marcado por uma verdade às vezes cortante, que oferece o retrato de uma geração que, mesmo oprimida pelo regime militar e sua brutalidade configurada na tortura acontecida nos porões, buscou conhecer o Brasil e as alternativas exteriores, onde ainda se respirava liberdade. É também o relato de uma vivência única. As Flores do Jardim da Nossa Casa. De Marco Lacerda. Ed. Terceiro Nome. 224 págs., R$ 34. Ritz. R. Jerônimo da Veiga, 141. Hoje, 19h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.