Marcelo Tas revive Ernesto Varela em espetáculo multimídia

Um homem simples, que aparenta estar embriagado, dá um depoimento profético há cerca de 20 anos: "Quando os bandidos começarem a se organizar, aí sim o Brasil vai mudar." Esse relato faz parte de uma das dez imagens captadas pela câmera de Valdeci e pelas perguntas capciosas do incisivo repórter Ernesto Varela, que recontará a história do País aos brasileiros a partir desta sexta-feira no Tucarena, com o espetáculo multimídia "A História do Brasil segundo Ernesto Varela - Como Chegamos Aqui?".O repórter, criado para esconder a timidez do engenheiro por formação Marcelo Tas, nasceu na cidade de Santos, em 1983, brincando de "homem do tempo" com Toniko Melo, hoje um premiado publicitário. De óculos de aros redondos e vermelhos, Varela entrevistou políticos em campanha, como Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva antes de chegarem à presidência, jornalistas da Globo (Carlos Tramontina e Tonico Ferreira), garimpeiros de Serra Pelada, entre muitos outros. A volta do "repórter de mentira que entrevista personagens de verdade" se dá neste espetáculo em forma de uma palestra multimídia oferecida pelo próprio Ernesto Varela, 20 anos mais velho, revivido por Marcelo Tas."Em vez de mudar o Brasil, os políticos se mudam para Brasília", diz Varela em um determinado momento do espetáculo. "A História do Brasil segundo Ernesto Varela", não por acaso, chega em hora bastante oportuna: no ano de eleições a governadores e presidente. Numa fábula moderna, Varela apresenta o "sapo barbudo", o "chuchu" e a "pimentinha" como os mais cotados para dirigir o Palácio do Planalto, montado com quatro raladores e duas bacias, uma virada com a boca para cima e outra para baixo.Tudo começou em 2003, quando um DVD com diversas reportagens de Varela foi produzido para ser distribuído em escolas (a venda do mesmo está programada para ocorrer somente no ano que vem, pois espera por algumas autorizações autorais de trechos de músicas). "Os diretores e professores das escolas me diziam ´Marcelo, você está contando a história do Brasil nesse DVD´. Foi aí que resolvi pensar melhor a respeito do que fazer com esse material", conta ele.O primeiro passo foi resolver o "quebra-cabeça" com todos os vídeos arquivados. Com a colaboração de Fernando Salém e Maurício Arruda, Tas elaborou o roteiro e a edição dos vídeos que deram forma à peça. "Foram oito meses de trabalho no total", conta o intérprete do saudoso Prof. Tibúrcio, do programa Rá-Tim-Bum da TV Cultura. Quando receberam o patrocínio do Centro Cultural Telemar, no ano passado, é que puderam, finalmente, estrear o espetáculo.Dependendo da semana que você escolher para assistir "A História do Brasil", um espetáculo diferente poderá ser visto. Isso porque, a cada semana, pelo menos um quadro é atualizado com imagens e e-mails interativos de internautas, que podem mandar suas sugestões de "pautas" para ernestovarela@uol.com.br. No ensaio aberto da semana passada, por exemplo, a cena da vez era a da visita de Hugo Chávez a Fidel Castro no hospital, com destaque para os "bichinhos de estimação" que o líder cubano mantêm na prateleira ao lado de sua cama. "Toda semana vou preparar um vídeo atualizado com o que está rolando de notícias. Uma cena sempre será diferente no nosso espetáculo", garante.E todas as quintas-feiras uma personalidade será convidada para participar de um debate logo após o espetáculo. No próximo dia 31, Fernando Meirelles é quem abrirá a série de discussões sobre os rumos do Brasil, a partir do ponto de vista de sua atuação. Para quem não sabe ou não se lembrava, o publicitário e cineasta é quem estava por trás da câmera, há 20 anos, e era mais conhecido como Valdeci. No dia 14 de setembro será a vez do filósofo Roberto Romano e, no dia 21 de setembro, Washington Olivetto. A História do Brasil segundo Ernesto Varela - Como Chegamos até aqui? 80 min. 12 anos. Tucarena (200 lug.). R. Monte Alegre, 1.024, 3670-8453. 5.ª, 20h; 6.ª e sáb., 21h; dom., 19h. R$ 35 (5.ª) e R$ 40. Até 26/11

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.