Marcelo Tas, o mais multimídia dos apresentadores

Na última terça-feira, o Muvuca contou com uma participação mais que especial. Marcelo Tas, apresentador do Vitrine, da TV Cultura, surgiu no programa, num piloto que foi gravado para o núcleo de Guel Arraes em 98. "Gravei quatro episódios do mesmo estilo para um quadro do Fantástico, muito tempo antes de assinar com a TV Cultura, justifica o apresentador. Sua participação no programa global não significa que Marcelo deixará o Vitrine, atração criada há 10 anos e há quase dois sob seu comando. "Os episódios que gravei para a Globo podem ser usados quando e como a emissora desejar. Fico contente por parte do material ter sido aproveitada dentro do Muvuca, que é um programa que tem muito a ver com o meu estilo de trabalho", ressalta Marcelo.No programa da Cultura, Marcelo, de 40 anos, afirma que está vivendo sua melhor fase. "Está tudo funcionando muito bem, tanto em termos de audiência, quanto de participação dos telespectadores", orgulha-se o apresentador da atração criada há 10 anos. Mesmo curtindo a boa fase, Marcelo adiantou ainda que implantar um projeto próprio está entre seus planos para o próximo ano. "Não tenho a intenção de deixar o programa, principalmente se esse novo projeto for compatível com o Vitrine, salienta. Sem se aprofundar muito no teor do novo projeto, Marcelo adianta que trata-se de algo semelhante a tudo o que ele fez até agora. "Misturo jornalismo com ficção seguindo um roteiro bem divertido. Também estou fascinado com os novos equipamentos de captação e transmissão de imagens de qualidade, tanto para a TV quanto para a Internet, o que facilitará bastante a veiculação desse tipo de produto em que estou trabalhando", acrescenta. "Acho que o telespectador está um pouco cansado da televisão passiva e, nesse processo, a Internet será inevitável", prevê.Fora seu trabalho na Cultura e o novo projeto, Marcelo continua apresentando os esquetes na rádio 89 FM, com seu personagem mais conhecido, o repórter Ernesto Varella. Recentemente, também foi contratado para ser o garoto-propaganda do Parque Hopi Hari, função que também acumula com a Telecom, empresa de telefonia móvel do Paraná.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.