Marcelo Resende deixa o comando do "Linha Direta"

Há mais de um ano no comando do Linha Direta, pela Globo, o jornalista Marcelo Resende deixou o comando da atração para voltar a fazer reportagens especiais para a emissora carioca. Desde a última segunda-feira, Resende passou a integrar a equipe de repórteres do Fantástico, o que acabou efetivando o jornalista Domingos Meirelles à frente do programa. Meirelles, que está há oito semanas apresentando o Linha Direta, tem tido um bom desempenho, algo que também colaborou para que seu nome fosse escolhido para substituir Resende. De acordo com nota oficial divulgada pela Rede Globo, o afastamento do jornalista foi um procedimento solicitado pelo próprio Resende, que desejava voltar à função de repórter especial. Criado há cerca de um ano, o programa policial desenvolveu uma linha diferente de reportagens, fazendo dramatizações, desde crimes que chocaram o País até outros que tiveram apenas repercussão municipal em cada estado brasileiro, divulgando nomes de criminosos e colaborando para a identificação e prisão de várias pessoas. O piloto do programa chegou a ser exibido em rede nacional, durante o Fantástico, antes de Resende se desligar da atração dominical. Foi uma entrevista de cerca de 40 minutos, feita com o maníaco do Parque do Estado, que estuprou e matou várias mulheres. A data do retorno de Resende ao vídeo ainda não foi divulgado oficialmente pela Globo. Procurado pela reportagem do Estadão.com.br, Resende não retornou às ligações para falar sobre sua saída do programa. Especulações apontam que a decisão pela saída de Resende já era algo antigo na emissora, uma vez que o jornalista José Datena, que apresenta o policial Cidade Alerta, na Record, chegou a ser sondado por Marluce Dias para apresentar um programa na casa. Segundo consta, o contrato não foi fechado apenas por causa da multa rescisória que Datena, ou a Globo, teriam de pagar à emissora de Edir Macedo.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2000 | 21h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.