LECO VIANA/REUTERS
LECO VIANA/REUTERS

Marca Ocksa se desculpa por manter desfile após anúncio da morte de modelo

Foram muitas as críticas à continuação da São Paulo Fashion Week mesmo após o anúncio da morte de Tales Cotta

Gabriela Marçal, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2019 | 22h15

O modelo Tales Cotta, 26 anos, sofreu um mal súbito durante desfile da marca Ocksa na São Paulo Fashion Week (SPFW) e morreu no Pronto-Socorro Municipal da Lapa, zona oeste da cidade, no sábado, 27. Desde então, a indústria da moda brasileira vem recebendo fortes críticas, pois, mesmo após a fatalidade se tornar pública, a programação do evento seguiu sem grandes alterações. 

A organização da SPFW enviou um comunicado à imprensa no domingo, 28, em que afirma que foi avisada sobre a morte de Tales às 18h50 e se reuniu com marcas, diretores de desfiles, stylists e modelos e para dar a opção de cancelamento do evento. “Mesmo abalados, todos decidiram manter os desfiles. Foi decidido também pelo minuto de silêncio na abertura de cada um”, informa a nota.

A Ocksa, que desfilava pela primeira vez na semana de moda paulista, desculpou-se pelo Instagram. “Em nome de toda equipe pedimos desculpas por termos dado continuidade ao desfile, independentemente das informações que dispúnhamos naquele momento, no backstage. Independentemente se tivesse sido uma queda ou ele ter desmaiado, jamais deveríamos ter dado continuidade ao desfile. Tudo aconteceu muito depressa.”

Heloisa Cotta, mãe do modelo, comentou no post se posicionando sobre a polêmica. “Não se culpem. Tales era profissional. Vocês não fizeram mal nenhum. No momento ninguém sabia realmente o que tinha acontecido. O certo era seguir o desfile para não desestabilizar o restante”, escreveu.

Após o desfile da Ocksa, ocorreu a apresentação da coleção da estilista Flávia Aranha. Em uma publicação na rede social, a designer relata que apenas ficou sabendo do incidente uma hora após o término da apresentação da sua coleção. “Se soubesse não teria desfilado. E sinto que é necessário tornar essa informação pública. Ficou muito estranho sentir alegria sem saber da dor que ocorria logo ali, do meu lado.” Em entrevista ontem ao Estado, a estilista reiterou que seu desfile começou às 18h34 e apenas soube sobre o desmaio e a morte de Tales uma hora após a apresentação de sua coleção. “Se soubesse não teria desfilado. Estou muito abalada com o acontecido”, disse a designer.

O show da Cavalera estava marcado para as 20h30. A marca não quis responder às críticas sobre ter continuado a programação mesmo após o ocorrido. No entanto, divulgou uma nota de pesar assinada por Alberto Hiar, seu fundador. “Todos ficamos muito abalados e com um sentimento de tristeza muito profundo pelo falecimento do Tales. Aconteceu na passarela, onde ele fazia o que amava, mas poderia ter acontecido em outro lugar e ficaríamos abalados da mesma forma.”

Na passarela do projeto Ponto Firme, último a se apresentar no sábado, 27, uma modelo entrou com uma folha de papel com a palavra “luto”. 

Após terem sido procuradas pelo Estado, as assessorias de comunicação da SPFW, projetoPonto Firme, Cavalera e Ocksa informaram que não iriam se pronunciar além do que já havia sido dito nas redes ou em comunicados oficiais. A assessoria da Piet não retornou o contato.

Tales desmaiou durante o primeiro desfile da Också na SPFW; a marca já tinha apresentado suas peças em semanas de moda em Paris, Milão e Nova York. Igor Crivellaro está à frente da direção e criação da grife que surgiu em Porto Alegre, em 2013. Ocksa é uma palavra de origem sueca e significa soma. 

“Qual é a sua Utopia?” foi o tema da 47.ª edição da SPFW, que começou na segunda, 22, e terminou no sábado, 27. “A utopia de um mundo melhor e mais humano, em sintonia com novas demandas e necessidades, propõe uma reflexão sobre onde estamos e o que queremos alcançar com criação. Qual o propósito e a intenção que move o fazer e a realização? Não existem respostas prontas”, dizia comunicado enviado pela organização do evento na terça, 23. 

O modelo mineiro Tales Cotta, de 26 anos, era representado pelas agências Base MGT e All Models. Ele morava em São Paulo e fazia parte do casting da Base MGT há dois anos. Segundo post da agência de modelos e atores, o profissional já tinha participado de edições anteriores da SPFW e do evento de moda Casa de Criadores. “Ressaltamos que Tales nunca apresentou ou se queixou de problemas de saúde. Ele mantinha uma dieta saudável (era vegetariano), não usava substâncias ilícitas e estava em plenas condições para participar do desfile”, publicou a Base MGT no Instagram. 

Em entrevista ao Estado, Rogério Campaneli, diretor da Base MGT, contou que Tales morava em um apartamento da agência em São Paulo com mais quatro modelos. Segundo Campaneli, os colegas de profissão relatam que o mineiro mantinha um estilo de vida saudável.

O modelo foi enterrado na segunda, 29, em sua cidade natal, Manhuaçu, em Minas Gerais. A agência de modelos Base MGT fez uma homenagem em sua sede em São Paulo e plantou uma árvore em memória do modelo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.