Mapas mostram evolução do Jardim Botânico, no Rio

O público que visitar o Jardim Botânico, no Rio, vai poder ter uma idéia da evolução do lugar nos últimos 57 anos comparando mapas atuais com um exemplar elaborado em meados da década de 40. Desenhado a mão pelo artista Roberto Delforoe, o documento estará na exposição que o Núcleo de Educação Ambiental vai abrir ainda este mês. "Esses registros são importantes para mostrar o desenvolvimento do Jardim e como a sua preocupação com o conhecimento da flora se desenvolveu", ressalta a bacharel em Ciências Olga Camisão.O mapa, chamado de indicador, foi elaborado no início de 1944, no período em que o Jardim Botânico era considerado uma superintendência do serviço florestal, então subordinado ao Ministério da Agricultura. O documento ficou guardado durante anos na sala do naturalista João Geraldo Kuhlmann. Mais tarde, com a criação do Museu Botânico do Jardim Botânico, o indicador foi transferido para uma das duas salas montadas em homenagem ao cientista.Agora, com a exposição, o Núcleo de Educação Ambiental, que faz um trabalho didático, voltado para professores e alunos, resgata o documento e o coloca em destaque para falar de sua história. No antigo mapa é possível notar indicações para a aléia principal, a das Palmeiras, para o orquidário e para a área onde ficam as bromélias. A existência de pau-brasil, perto do busto de D.João VI, também aparece no indicador. "Hoje temos concentrações da árvore em outros locais do parque. Além disso, houve a introdução de diferentes plantas", afirma Olga, que trabalha como assessora na Prefeitura do Instituto de Pesquisas.Uma clara preocupação em dar cada vez mais ênfase a uma linha científca levou o parque a construir várias edificações para abrigar centros de pesquisa. Com o tempo também surge a necessidade de oferecer mais conforto aos turistas e surgem no local interferências como cafeterias e sanitários. "Os mapas recentes têm preocupação com a sinalização. Eles têm um cunho turístico e o científico inexistente no indicador", conclui Olga.

Agencia Estado,

10 de outubro de 2001 | 21h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.