Mansão Playboy inspira desfile da V.ROM

O desfile da V. Rom começou com a modelo Pietra Ferrari tirando o hobbie de costas para a platéia. A cena que enlouqueceu os homens foi a primeira pitada nesta "Festa das Playmates", inspirada nas grandes festas da Mansão Playboynos anos 70. A idéia da grife é "celebrar a vida trazendo consigo a riqueza e a atração do indivíduo pelo avesso, o intenso sabordo proibido". Na prática, surge uma coleção desprendida, colorida, funcional e, principalmente, confortável. O homem da V.Rom éjovem e moderno, usa calças e paletós coloridos, recupera o suspensório e, apesar de "garotão", não perde o lado sedutor.A top Ana Claudia Michels, queestampou a capa da revista fictícia do cenário, num click de Luiz Tripolli, fechando o desfile vestida de coelhinha. Todos têm sua preferência, mas sua presença loira é imbatível, cinematográfica, uma imagem antiga das antigas coelhinhas da Playboy. Puro luxo. Mise-en-scène a parte, a V.ROM veio com cores fortes, vezes primárias, vezes diluídas em estamparias e listras (parecida com as coleções femininas, em tons claros de rosa e branco), sexy, sobretudo. Sexy ao brincar com um tímido, um certo ar ?nerd? de um colegial, sexy também por, logo no início, mostrar peitos masculinos desnudados, perfeitos, apenas como suporte para as bermudas, super estampadas, alegres. Albucacys, o bombeiro, era um dos suportes. Há toda uma presença da cultura norte-americana nos cortes, nas escolas da cores, nos tipos de peças, mas, um norte-americano do subúrbio e dos anos 70 ? o que dá todo um outro charme ao desfile. Enfim, as tricolines mistas de algodão e poliamida não estão ali à toa, nas camisas e calças, a idéia é mesmo assumir o retrô. José Serra não apareceu no desfile, como corria o boato. Só rolou moda, nada de campanha política. Veja Galeria

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.